Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Pelo menos sete em cada dez pessoas residentes na zona rural do distrito de Lichinga, no Niassa, não sabem ler e escrever, facto que inquieta as autoridades governamentais provinciais, que instam o sector da Educação e Desenvolvimento Humano a adoptar estratégias visando estimular a adesão da população, sobretudo adulta, aos programas de alfabetização e educação.

O distrito de Lichinga conta com 213 mil habitantes, maioritariamente do sexo feminino, também com maiores índices de analfabetismo, de acordo com dados em nosso poder, situação que compromete o desenvolvimento humano.

Nos encontros separados que orientou recentemente com o Governo distrital, Conselho Municipal da Cidade de Lichinga e população local, a governadora do Niassa, Francisca Tomás, referiu que o acentuado índice de analfabetismo naquela parcela compromete os esforços do Governo visando prevenir e combater as doenças endêmicas, nomeadamente a malária, diarreia, incluindo a cólera, entre outras que constituem as principais causas de procura de cuidados de saúde e de mortalidade.

Acrescentou que, sem o nível básico de escolaridade, a população em idade activa terá poucas oportunidades de acesso ao emprego, como também terá limitações para explorar os recursos de que dispõe para melhorar a qualidade de vida.

Francisca Tomás referiu haver necessidade de o sector da Educação e Desenvolvimento Humano na província desenvolver estratégias que visam apoiar o distrito de Lichinga a promover a adesão da população aos programas de alfabetização.

Por outro lado, é precido estimular os pais e encarregados de educação a matricularem os seus filhos em idade escolar, para se formarem.

De um modo geral, a mulher no Niassa regista níveis de participação significativos nos programas de alfabetização e educação de adultos, sobretudo no sistema presencial. Estranhamente, no distrito de Lichinga a  situação é contrária.

CARTEIRAS AINDA NÃO CHEGARAM AOS DONOS

Ainda no encontro, apurámos que as cinco mil carteiras duplas entregues pelo Chefe do Estado, Filipe Nyusi, em Julho, ao distrito de Lichinga, ainda não chegaram aos estabelecimentos escolares locais, alegadamente devido à existência de dificuldades de ordem financeira para custear o aluguer de viaturas para assegurar a respectiva distribuição.

Marcelinho Luís Ferreira, director distrital do Serviço de Educação, Juventude e Tecnologia de Lichinga, disse que contactos estão em curso com transportadores para encontrar quem se e predisponha a realizar o trabalho de distribuição do mobiliário escolar a título de crédito.

A dívida que o seu sector tinha com os alfabetizadores, estimada em 400 mil meticais, foi liquidada na totalidade, assim como as horas extras e de turno e meio referentes ao ano passado. No entanto, persistem as dívidas com professores relativas a horas extras e de turno e meio referentes aos anos de 2015 e 2016, prometendo a sua liquidação depois que forem libertos os fundos pelo tesouro central.

Carlos Tembe

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction