OS dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), principal formação política da Guiné-Bissau, defenderam a integração de cerca de 200 mil militantes expulsos do partido. Em conferência de imprensa, realizada quarta-feira, Tomás Barbosa, actual ministro do Desporto e Cultura e porta-voz de militantes dissidentes, disse que é errado que a direcção do PAIGC proponha a reintegração apenas dos 15 deputados expulsos. Para Barbosa, a reintegração deve ser para os mais de 200 mil militantes que apoiam a visão do chamado “grupo dos 15”. “A reintegração tem que ser a partir das bases do partido. Há muitos militantes de base, das estruturas intermédias, veteranos, jovens que foram expulsos que devem ser reintegrados”, disse Tomás Barbosa.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,73 61,93
ZAR 4,52 4,61
EUR 71,32 72,73

08.08.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos que tenho tido o privilégio de fazer a cobertura das ...
2017-08-18 23:30:00
NA próxima quarta-feira os angolanos vão a voto, naquilo será o ...
2017-08-18 23:30:00
HÁ dias meti o meu “flash” num computador da faculdade e todos ...
2017-08-18 23:30:00
A IMPRENSA moçambicana tornou público recentemente, a possibilidade de ...
2017-08-17 23:30:00
HOJE queremos, neste espaço, homenagear milhares de crianças ...
2017-08-16 23:30:00