Imprimir
Categoria: Beira
Visualizações: 661

O CICLONE tropical Idai,  que nos últimos dois dias fustigou a cidade da Beira, provocou o corte no fornecimento de electricidade, derrubou várias infra-estruturas, incluindo residências e torres de telecomunicações, para além de agravar o cenário das inundações na urbe.

Nas artérias da cidade e nos bairros periféricos eram ontem visíveis casas sem cobertura, chapas de zinco e ramos de árvores espalhados e serviços encerrados pelo segundo dia consecutivo.

Os ventos chegaram a atingir a velocidade que oscilava entre 190 e 210km/h, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INAM).

Vários bairros da urbe estavam todo o dia de ontem sem energia eléctrica, cujo fornecimento ficou interrompido na noite de quinta-feira, na sequência da danificação de uma linha de 110kva, enquanto as chuvas continuavam a cair torrencialmente, para o desespero dos moradores que temiam o pior.

“Até temos medo de ficar aqui.  Estamos mal, nem para cozinhar”, disse uma moradora da cidade da Beira, citada pela Rádio Moçambique.

Em muitas áreas residenciais os munícipes da segunda maior cidade do país não saíram de casa devido às águas das chuvas que agravaram o cenário das inundações que Beira vinha vivendo nos últimos dias, complicando ainda mais a vida dos cidadãos.

A destruição das infra-estruturas das comunicações deixaram a cidade quase que incomunicável.

De acordo com o INAM, a zona do primeiro contacto do ciclone com o continente foi entre as cidades da Beira e Dondo, com chuvas e ventos fortes.

Entretanto, momentos antes da sua partida ao Reino de e-Swatini para uma visita do Estado, o Presidente da República, Filipe Nyusi, lamentou os danos causados pelo ciclone tropical, apelando ao esforço colectivo para a reparação dos estragos e ajudar as pessoas a retomar o ritmo normal da vida.