A taxa de mortalidade entre os doentes internados no Hospital de Maputo situou-se nos 8,3 por cento nos primeiros três meses deste ano, apontando para a manutenção da tendência de redução que se vem registando nos últimos anos.Em iguais períodos de 2015 e 2016 as taxas situaram-se em 9.5 e 9.4 por cento, respectivamente.  

Objectivamente, são 998 os pacientes que perderam a vida durante primeiro trimestre deste ano no HCM, devido ao agravamento das suas enfermidades, entre as quais se destacam o HIV/SIDA, tumores, hipertensão e transtornos ligados à gestação e desenvolvimento fetal. 

Os dados foram divulgados há dias quando da visita do Presidente da República àquela unidade sanitária.

Os mapas apresentados a Filipe Nyusi pela médica pediatra Eugénia Macassa apontam a insuficiência renal, pneumonia e diabetes como outras enfermidades com peso nas mortes, tendo cada uma delas sido responsável por quatro por cento dos óbitos ocorridos naqueles primeiros três meses do ano.

Quanto aos internamentos, o HCM aponta terem sido 9.382 do início do ano até ao final de Março. O hospital possui 1.445 camas distribuídas em sete departamentos clínicos, havendo cenários em que as unidades ficam pressionadas ao ponto de recorrerem a colchões extra para acomodar pacientes. 

A pneumonia por microorganismo não especificado, a malária e os transtornos relacionados com a gestação de curta duração e peso baixo à nascença constituem as principais causas de internamentos.

No rol das doenças que causaram os 9.382 casos de internamento seguem a diarreia, fractura de fémur, neoplasia maligna de colo de útero e complicações relacionadas com o HIV.

Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de drogas e demais substâncias psicotrópicas, fractura de perna e/ou tornozelo, traumatismo intracraniano e hipertensão gestacional induzida pela gravidez são outros males que concorrem para os internamentos do HCM, de acordo com os dados avançados por aquela unidade sanitária, a maior do país.        

O HCM, que continua a ser procurado por doentes que podiam resolver os seus problemas de saúde noutras unidades sanitárias mais pequenas, atende em média 780 pacientes nos Serviços de Urgência e 550 nas consultas externas.    

 

 

Versão-Impressa


Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 23 Junho 2017
DOIS momentos marcaram esta semana o contacto entre o Banco de Moçambique e a comunicação social, nomeadamente o ponto de situação da economia nacional e os esclarecimentos à volta do processo que culminou com a venda do Banco Moza à Kuhanha –... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Ponte Dona Ana: Obras da passadeira relançam...
Terça, 20 Junho 2017
OS habitantes do vale do Zambeze, de que fazem parte as províncias de Manica, Sofala, Tete e Zambézia, estão bastante optimistas no incremento das trocas comerciais, quando for concluída, próximo mês, a reabilitação e iluminação da passadeira na ponte Dona Ana, que liga a vila municipal de Nhamayabwe, distrito de Mutarara, em... Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,83 60,97
ZAR 4,66 4,75
EUR 66,81 68,07

22.06.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

QUIS o destino que eu escalasse, há dias, a República do Sudão, ...
2017-06-24 08:33:52
FOI no Sazária que naquela manhã do segundo dia da minha estadia em ...
2017-06-24 08:31:46
OS dias que correm são bastante férteis em debates relacionados com a ...
2017-06-23 08:16:46
De tanto se falar dos famosos Mercedes Benz ora comprados para ...
2017-06-23 08:10:04
O OCIDENTE, com os Estados Unidos da América à cabeça, ...
2017-06-23 08:00:54

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2885 visitantes em linha