OS trabalhadores da Transmarítma estão descontentes com as condições laborais e salariais, e ameaçam paralisar as actividades, caso as suas reivindicações não sejam atendidas.

As inquietações incluem a alegada disparidade salarial entre os membros do Conselho de Administração e o resto dos trabalhadores, num contexto em que a empresa atravessa uma crise, o não pagamento do 13º salário e canalização das contribuições ao Instituto Nacional de Segurança Social (INSS). 

Em contacto com o “Notícias”, os queixosos exigem a demissão de alguns membros do Conselho de Administração por estarem a sobrecarregar as contas já deficitárias da empresa e por alegada “falta de competência”.

Segundo os trabalhadores que pediram anonimato, por temerem represálias, todos os meses descontam valores dos seus salários para o Fundo Social dos Trabalhadores, mas quando solicitam empréstimos não lhes são concedidos.

Argumentam que as tentativas de diálogo com a direcção da empresa não têm sido sucedidas.

Na última reunião entre o sindicato local e os trabalhadores, em Maio, e cuja acta o “Notícias” teve acesso, os trabalhadores afirmam que o presidente do Conselho de Administração nunca se reuniu com os funcionários, o que dificulta a busca de consensos.

A situação da empresa, segundo a missiva, é agravada pela admissão de mecânicos sem qualificações para fazer a manutenção das embarcações “Nyeleti” e “Bagamoyo”, recebendo mesmo assim salários elevados.

Confrontado com as reivindicações, o PCA da Transmarítma, Jafar Ruby, esclareceu que a amortização da dívida com o INSS é uma das prioridades da empresa e avançou que a questão está a receber o devido tratamento.

“A empresa foi afectada pela crise económica que faz parte da conjuntura do país. O 13º será pago, mas isto não é automático, pois depende do nosso desempenho financeiro”, disse.

De acordo com os trabalhadores, o pagamento do 13º vencimento estava previsto para Março, mas o mesmo foi adiado para Junho e depois para Julho.

Todavia, Jafar Ruby referiu que ainda não teve o conhecimento das reivindicações relativas ao fundo social e à disparidade salarial, e explicou que estas podem ser apresentadas pelos trabalhadores, desde que obedeçam os procedimentos para a sua exposição.

Ainda na quarta-feira, o comité sindical local submeteu um pedido para um encontro com os trabalhadores, de modo a informar sobre o estado actual da empresa e, em conjunto, definirem os passos subsequentes.

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 21 Julho 2017
Há pelo menos duas sensações com que se fica, lendo as conclusões e recomendações da última missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Moçambique, no final de uma visita de pouco mais de uma semana. Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Actriz Lina Marcos: Uma história de vida que...
Segunda, 24 Julho 2017
A HISTÓRIA da actriz Lina Marcos está carregada de muitas lições de vida, sobretudo no que às relações amorosas diz respeito. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,16 61,29
ZAR 4,58 4,67
EUR 68,75 70,04

17.07.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

MUITOS dos que na sua rotina diária passam pela zona onde perfilavam barracas ...
2017-07-24 07:25:15
DEU para ver, numa das sextas-feiras, pouco depois das 21.00 horas, em plena Avenida ...
2017-07-24 07:23:34
ENQUANTO muitos debatem a opinião do Chefe do Estado moçambicano sobre ...
2017-07-21 23:30:00
O FUTEBOL é um dos desportos mais “cabeça dura” que ...
2017-07-21 23:30:00
HÁ dias o académico José Diquissone Tole, também ...
2017-07-21 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2917 visitantes em linha