É UM negócio informal que está a ganhar espaço nas principais avenidas dos arredores da cidade de Maputo. Em quase todos os estabelecimentos de venda de assessórios para viaturas, o óleo do motor avulso é um “item” presente.

Pouco se sabe da qualidade e propriedade destes lubrificantes, mas ainda assim muitos automobilistas optam por este produto, vendido na rua, por causa do preço que é mais baixo comparativamente com o mercado formal. Ignoram a hipótese de estarem a usar óleo adulterado.

Segundo os vendedores, este produto tem sua origem na África do Sul e o tambor de 210 litros é adquirido a preços equivalentes a 16 a 22 mil Meticais. Na cidade de Maputo, o óleo é comercializado em recipientes de meio, um e 1.5 litro a preço que varia de 60 a 160,00MT.

Maria Cristina não tem estabelecimento de acessórios, mas vende lubrificantes. Diz ter iniciado o negócio há pouco tempo nas bermas da avenida Vladimir Lenine.

Apesar de o negócio ser sustento da sua família, explicou que vive constrangida pois a Polícia Municipal proíbe esta actividade na via pública.

“A Polícia disse que não devo vender óleo na rua. Por isso, o meu trabalho é muito difícil. Não tenho ainda condições de ter uma loja”, disse em conversa com o “Notícias”.

Segundo Cristina, os transportadores semi-colectivos de passageiros (chapeiros) lideram a lista dos maiores compradores daquele produto, mas há alguns carros particulares que preferem este óleo.

Por dia vende 15 a 20 litros, mas às vezes não consegue sequer um cliente.

Diferente de Cristina, pode-se encontrar ainda pontos fixos de venda de lubrificante, um destes é o  Mabamane Auto Parts na avenida de Moçambique, concretamente no bairro 25 de Junho. O proprietário contou que recebia regularmente o produto da África Sul.

“Este óleo é trazido da África do Sul pelos nossos fornecedores num período de um a dois meses. Pagamos cerca de 20 mil Meticais pelo tambor de 210 litros e vendemos a unidade por 150 ou 160,00MT”, disse o responsável do estabelecimento.

Questionado sobre quem seriam os potenciais clientes, a fonte afirmou que os operadores de transporte semi-colectivo são os que mais compram.

“Os nossos clientes são os chapeiros. Compram porque é acessível. O óleo avulso é mais económico para eles porque a troca de lubrificante é feita em menos tempo”, explicou.

Apontou ainda que nunca houve reclamação de danos em veículos por causa do uso deste tipo de produto.

Porém, declarou que os consumidores nunca perguntavam a marca deste óleo, facto que mostra alguma negligência.

O nosso interlocutor garante que o óleo avulso em questão, “Castrol-40”, é o melhor porque é de longa durabilidade. “Sai em conta comprar o produto a 160 do que o selado a 500 Meticais”, reiterou.

Algo que pode levantar suspeitas é o facto de a mesma quantidade e qualidade semelhante de óleo estar a ser comercializado a preços com uma diferença de 350 Meticais no circuito formal.

O “Notícias” foi até “Benfica”, na avenida de Moçambique, onde o óleo é exposto na berma da estrada. A presença de equipa da Reportagem incomodou alguns vendedores, mas mesmo assim reconheceram que não tinham licença para o exercício de actividade.

 

Consumidores divergentes

Os automobilistas usuários do óleo avulso Castrol-40 têm ideias divergentes sobre a qualidade e preço do produto. Enquanto uns preferem este lubrificante para poupar dinheiro, outros optam em investir um pouco mais para comprar um produto selado, como forma de assegurar a durabilidade do motor das viaturas.

Daniel Sitoe, motorista de um transporte semi-colectivo de passageiros, diz que prefere comprar o óleo avulso porque o motor do seu veículo exige lubrificação sistemática, chegando a gastar três a cinco litros por dia.

Facto curioso é que ele não se preocupa com o tipo de óleo que injecta no seu carro.

Afirmou que optava por óleo avulso porque é mais acessível comparado com o produto selado, que chega a custar 300 Meticais nas bombas de combustíveis.

Custódio Manjate, outro condutor, diz não apreciar o óleo avulso. “Eu não uso este produto por ser de baixa qualidade, dura menos tempo e danifica o motor do carro, que chega a emitir um fumo com cheiro estranho”.

Entretanto, afirmou que os produtos avulsos comercializados nas bombas de combustível são os mais adequados, embora o valor da sua aquisição seja mais elevado.

“O óleo avulso vendido nas bombas é mais seguro, mas caro. O litro custa 260, contra 160 Meticais nos vendedores informais”, colocou.

 

INNOQ sem meios

O director do Instituto Nacional de Normalização e Qualidade (INNOQ), Alfredo Sitoe, reconhece que a intervenção da instituição que dirige será difícil por se tratar de actividade comercial exercida em moldes informais.

“Tratando-se de venda informal, não temos como intervir ou fiscalizar este produto, mas posso assegurar que a qualidade do óleo é duvidosa, uma vez que nada se sabe sobre as propriedades,  formas de armazenamento e embalagem do mesmo. Por isso, o seu uso pode trazer sérios danos aos motores dos veículos”, alertou.

Sitoe acrescentou que os automobilistas devem ser vigilantes em relação ao tipo de produto que escolhem para a manutenção dos seus automóveis.

“Assim, cabe aos automobilistas terem atenção sobre o tipo de lubrificante que usam para as suas viaturas. Pois, há sempre normas específicas para tal”, sublinhou.

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

LOCALIZADA no extremo norte da província de Cabo Delgado, fazendo fronteira ...
2017-10-22 23:30:00
FRETILIN é nome de um dos movimentos que lutaram pela independência de ...
2017-10-22 23:30:00
NA semana passada vimos mais um acto mediatizado de demolições de ...
2017-10-22 23:30:00
HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2156 visitantes em linha