É UMA infra-estrutura que devia estar em construção. Segundo os mentores do projecto, o atraso prende-se com a contínua ocupação da zona reservada para o empreendimento, por alguns residentes num acto descrito como oportunismo.

Os responsáveis do projecto, cujo estudo do impacto ambiental foi recentemente apresentado na Matola, apontam ainda o impedimento, pela população, de circulação na área em causa, das equipas indicadas para o inventário e ainda a vandalização da vedação como sendo outros entraves do processo.

A área inicialmente demarcada foi de 60 hectares quadrados, tendo sido posteriormente acrescida uma outra de 40 hectares. É no seio dos que estão na nova área demarcada e dos que mais tarde foram erguer as suas construções que cresce o movimento hostil ao aterro sanitário, segundo fontes do Notícias.

Na esteira da última consulta pública que tinha em vista a apresentação do estudo de impacto ambiental à comunidade de Matlemele, o administrador do Fundo Nacional de Desenvolvimento Sustentável Carlos Seventino admite que possa ter havido falha no trabalho de sensibilização, pois ficou claro nos encontros mantidos com a população que algumas pessoas não perceberam o espírito do projecto e a sua finalidade.

“Estamos atrasados um ano. Por estas alturas contávamos ter atingido um outro estágio do processo. Nalgum momento tivemos dificuldades de acesso ao local, porque a população residente não permitia a nossa entrada para o levantamento do que lá existe”, disse.

Hortêncio Lopes, da Livaningo, uma organização de defesa do meio ambiente, regozijou-se e com os passos dados, apesar de algumas omissões não menos importantes no estudo como, por exemplo, a maneira como será feita a separação dos resíduos, bem como o futuro dos residentes e utentes da área reservada.

“De um modo geral, o estudo é prático e corresponde aos padrões internacionalmente recomendáveis. É um projecto bastante ambicioso e bom sob ponto de vista de saúde pública e ambiental. Penso que na parte técnica estamos num bom caminho”, salienta Lopes.

Vinte anos de vida para 1400 toneladas diárias 

Entretanto, o aterro de Matlemele é uma infra-estrutura com tempo de vida limitado, visto que terá a duração de 20 anos. Volvido este período, o espaço será reaproveitado para outros fins.

Inês Guerra, da Consultores de Engenharia e Ambiente Coba, explicou que o projecto durará 20 anos, caso seja feito um depósito diário de 1400 toneladas de lixo. Actualmente, o volume de lixo produzido nas duas cidades é ainda inferior e com a separação, que permite o reaproveitamento, as quantidades podem ser cada vez mais reduzidas. Assim, disse, o período de vida do aterro pode ir para além dos 20 anos.

Sobre os pontos não constantes do estudo, a fonte fala da necessidade de se libertar a zona e do reassentamento pois, segundo adiantou, o estudo foi feito numa fase em que a área estava livre. “É uma responsabilidade de outras partes envolvidas como os municípios e não necessariamente nossa como executores do estudo”, disse.

Referiu que as inquietações do público serão integradas num relatório a ser entregue ao Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER), a quem compete emitir a licença ambiental, condição para o início das obras.

 Laitone Melo, vereador de Salubridade, Ambiente, Parques e Jardins municipais na Matola, disse estar satisfeito com a etapa atingida e os passos a seguir são, segundo disse, a conclusão de detalhes sobre o estudo e autorização para a construção, pois o dinheiro para o efeito já está garantido.

A construção do aterro vai consumir algo como 60 milhões de dólares norte-americanos cedidos pela Correia do Sul, com uma comparticipação do Governo de Moçambique.

Sobre as compensações, a fonte disse que as mesmas contemplarão as pessoas que ocuparam a área antes de se conceder o título do Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT). Lamenta que tenham surgido ao longo do processo pessoas infiltradas, movidas por interesses inconfessáveis e que iniciaram a construção sem licença e muito menos seguiram as normas exigidas.

 Ernesto Monteiro, régulo de Matlemele, congratulou-se com o estudo, ao mesmo tempo que lamenta a falta de compreensão por parte da população que dificulta a efectivação dos trabalhos.

“Há na verdade pessoas abrangidas e aquelas que estão infiltradas e que inviabilizam o trabalho dos que vêm trazer soluções para aqueles que, efectivamente, são abrangidos”, disse.  

Que aterro se pretende?

Trata-se de um espaço destinado à deposição final e controlada de resíduos sólidos urbanos, assente num projecto de engenharia e com normas operacionais específicas.

Permite a confinação segura do lixo no solo, através da deposição de camadas cobertas com material inerte, geralmente solo, evitando danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais.

Os resíduos sólidos e a água existentes dentro do aterro serão usados para a produção do biogás, através de um processo de decomposição biológica do material orgânico do lixo, resíduos que passarão por uma série de reacções anaeróbicas que provocam a libertação de gases que causam maus odores. A colecta adequada destes gases é a chave para controlar a sua emissão e consequentemente o mau cheiro na área.

As práticas tradicionais de tratamento de resíduos sólidos, actualmente em uso, consistem no depósito não controlado e a céu aberto, com uma destruição baseada na queima, muitas vezes feita pelos catadores.

Nos aterros que actualmente recebem os resíduos de Maputo e Matola, nomeadamente Hulene e Mahhampsene as condições são tidas como críticas, caracterizadas por sérios problemas, tanto do ponto de vista ambiental, como de saúde pública.   

 

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1618 visitantes em linha