Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

A SITUAÇÃO política, económica, social e cultural da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) domina a reunião do Conselho de Ministros da ...

segunda, 16 julho 2018
Leia +

Economia

A linha aérea Air Botswana assinou um acordo SPA (Special Prorate Agreement) com as Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), para prolongar a sua rede de rotas, segundo anunciou na ...

sexta, 13 julho 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

A França é a nova campeã do mundo de futebol. Os gauleses bateram na final do Mundial-2018 a Croácia, por 4-2, partida disputada no Estádio Luzhniki, em Moscovo. ...

domingo, 15 julho 2018
Leia +

Nacional

O Governador da província de Inhambane, Daniel Chapo, recomendou as autoridades sanitárias a encontrar uma estratégia para estancar o roubo de medicamentos nas unidades ...

segunda, 16 julho 2018
Leia +

MBENGAé como se denomina o alguidar em algumas línguas bantus. Este é um instrumento de múltiplos significados para as culturas do Sul de Moçambique. Se num passado não muito distante era usada apenas nas cozinhas de chapas de zinco e macuti, nos bairros de lata da capital do país, nos últimos anos invadiu as avenidas da cidade para abastecer aos “famintos” transeuntes, estudantes e trabalhadores, que ocupam os grandes prédios e edifícios da cidade, de badjias (os tais pastéis de feijão, na língua mais afinada). É, sem dúvida, um dos registos do nosso quotidiano. Vira a esquina e lá está uma senhora, em alguns casos, ladeada por uma fogueira, a sua criança entretida com alguma brincadeira, sem contar com a que carrega ao colo, que é onde depois de moer frita as badjias. Este negócio, regra geral, está associado à venda de pão para juntar o pão à badjia. É o famoso “manhiça”. Nos últimos tempos aos cigarros também. À volta do alguidar, com certa atenção, pode-se observar as transformações que a sociedade vai sofrendo. Já há homens colocando a Mbenga entre as pernas para moer com a mesma agilidade “feminina”, a “hóstia” matinal da corrida vida da cidade. Embora a mulher ainda esteja lá, a mão que dá sabor à “badjia” é a dele. Uma mudança completa, se formos em linha de conta que no passado só elas moíam. Mas, naturalmente, cada um tem o seu alguidar, onde mistura e tritura os seus ingredientes. É neste sentido que há quem trabalha a textura e o gosto para servir em melodias e harmonias no ouvido de alguma alma, em qualquer canto do mundo. A música é mágica. Voltando às mudanças sociais. Não só os homens estão a “ocupar” espaços que outrora pertenciam às mulheres, como também está a acontecer também no sentido inverso. Deixando o almofariz de lado, as senhoras já se ocupam, por exemplo, da operacionalização das máquinas pesadas. Assim como amarram a capulana para, talvez, ir buscar pão – que vai “manhiçar” com badjia do alguidar -, de bicicleta.   

 

 

……………………………………………..

Sábados

TEMA DE ...

A alegoria da caverna de Platão é esclarecedora quanto ...

CLICKADAS

...

José Craveirinha, o nosso poeta maior, escreveu: “O ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction