O DEPSORTIVO de Maputo confirmou ontem, após derrota por 1-0 frente ao seu homónimo de Nacala, no campo da Bela Vista, a sua descida de divisão, quatro anos depois de ter experimentado o sabor amargo de jogar nos “quarteirões”.

O desaire da tarde de ontem mantém os “alvi-negros” na 15.ª posição (penúltima), com menos 12 pontos que o 1.º de Maio de Quelimane, a pior equipa entre as que estão acima da linha de água, quando faltam apenas quatro jornadas para o fim do Moçambola. Aliás, o máximo que o Desportivo de Maputo pode fazer até à 30.ª jornada são 27 pontos, o que é insuficiente para se salvar, pois mesmo que o 1.º de Maio perca todos os jogos que restam, tem confrontos directos (primeiro critério de desempate) favoráveis em relação às “águias”. Das três equipas que estão abaixo da linha de “água”, a única que ainda tem hipóteses matemáticas de permanecer é o Estrela Vermelha, que ontem derrotou o líder União Desportiva do Songo por 1-0, naquele que foi a grande surpresa da ronda. Com o triunfo, os “alaranjados” deram um passo assinalável para a já difícil manutenção, ao mesmo tempo que colocam os “hidroeléctircos” sob pressão na luta pelo título. A equipa do Songo viu, por exemplo, o fosso encurtado em relação ao Chibuto, que bateu a ENH por 1-0, de oito para cinco pontos (52-47). O Chingale recebeu e venceu ao 1.º de Maio por 1-0 e praticamente garantiu a manutenção, somando agora 31 pontos, no 11.º lugar. Já fora das contas do título, o Ferroviário de Maputo bateu o já despromovido Desportivo do Niassa por 1-0. A Liga Desportiva de Maputo foi a Nampula derrotar o Ferroviário local por 2-1 e o Costa do Sol perdeu na recepção ao Ferroviário de Nacala por 0-1, resultado que confirma a permanência dos “locomotivas”. A próxima ronda, a 27.ª, tem lugar no domingo, com destaque para os sensacionais Maxaquene-UD Songo; Fer. Beira-Costa do Sol e Fer. Nacala-Chibuto.

DESPORTIVO DE NACALA, 1-DESPORTIVO DO MAPUTO, 0 - Jogar condicionado prejudicou “alvi-negros”

LUÍS N0RBERT0

UM início muito intenso de ambas as partes caracterizou esta partida, que opunha os Desportivos de Nacala e de Maputo, em que, quanto a nós, o juiz da partida condicionou a forma de jogar dos “alvi-negros”, depois da expulsão de Infren ainda no decorrer da primeira parte, alegando ter simulado um derrube na área adversária.

Ajuizando bem o referido lance, Zefanias Chijamela até poderia ter assinalado penálti a favor do Desportivo de Nacala, mas não entendeu assim, tendo admoestado com o segundo amarelo ao atleta “alvi-negro”, de forma injusta.

Com o Desportivo de Nacala a jogar sob pressão do seu público, impôs-se em campo nos minutos iniciais, mas mesmo assim lá na sua retaguarda não conseguia parar as investidas do possante e rápido Evanga, que, diga-se de passagem, deu muitas dores de cabeça aos defensores canarinhos.

Aos 23 minutos, Binó rematou com perigo, de forma acrobática, tendo Orlando respondido aos 45 minutos com um remate ao poste da baliza defendida por Brayd.  Sublinhar que antes das equipas recolherem para o intervalo registou-se uma paragem de cerca de 20 minutos, porque a turma do Desportivo não aceitava que o árbitro mostrasse o segundo amarelo a Infren, que ditou a sua expulsão.

No reatamento, o Desportivo de Nacala, a jogar em vantagem numérica, assenhorou-se na partida, pecando apenas no capitulo da finalização, que somente veio a acontecer aos 74 minutos, com um remate fulminante de Daudo, que foi parar no canto das malhas da baliza defendida por Joaquim, o mesmo que viria a evitar o segundo golo caseiro num remate forte de Ramudua, que defendeu para canto, aos 78 minutos.

Em tempo de descontos, Joca teve tudo para igualar a contenda, mas falhou escandalosamente.

O resultado justifica-se, de uma forma geral.

FICHA TÉCNICA 

ÁRBITRO – Zefanias Chijamela, auxiliado por Joaquim Meirinho e Gerson Edson.

DESP0RTIVO DE NACALA – Brayd; Isaías, Tawinha, Tawanda e Mitter, Délcio, Sanito (Zé Rasta), Daudo e Buramo (Ramudua), Binó (Kikito) e Adebayor.

DESPORTIVO DE MAPUTO – Joaquim, Sidique, Laque (Henrique), Orlando (Dinis) e Infren, Danito, Ivo, Cris e Cândido, Naftal e Evanga (Joca).

ACCÃO DISCIPLINAR – Amarelos a Délcio e Tawanda (Desportivo de Nacala), Orlando, Evanga (Desportivo de Maputo) e vermelho para Infren, também dos “alvi-negros”.

ESTRELA VERMELHA, 1- UD SONGO, 0 - Bonificado em tempo de crise

SALVADOR NHANTUMBO

O ESTRELA Vermelha acabou sendo bonificado por uma grande penalidade num jogo em que a União Desportiva do Songo pagou a factura por ter deixado para o fim o que deveria ter feito ainda na primeira parte da contenda.

Os “alaranjados” tiveram um momento oportuno (aos 52 minutos), situação que veio moralizar a equipa para uma batalha que a levou para a glória, forçando o visitante a correr, sem sucesso, atrás do prejuízo. Foi na sequência da carga de Jorge sobre Chorão que Rachid enganou o guarda-redes Swin para o 1-0.

O tento alavancou a moral da equipa “alaranjada”, que começou a jogar de forma desinibida e destemida, contrário do que aconteceu na primeira parte. A equipa do Songo desdobrou-se, mas encontrou resposta certa, porque o Estrela já imprimia velocidade no ataque e rematava com muita frequência. E por pouco marcou o segundo golo, por Cley, num falso cruzamento empurrado pelo vento e que quase surpreendeu Swin.

A União Desportiva do Songo não adormeceu. Foi várias vezes à baliza de Castro, mas sem atinar com a baliza, também porque o guarda-redes “alaranjado” colaborou, defendendo alguns remates com selo de golo, sobretudo em lances de bola parada.

Os minutos iniciais foram de um futebol incaracterístico, resultado da incapacidade de ambas as partes melhor se organizarem e a constante luta pela posse de bola. Nenhuma das duas equipas conseguia dar melhor sequência às jogadas a partir do miolo, isto pela falta de vontade de jogar conforme mandam as regras, o que propiciou a um jogo aéreo e sem brilho.

Nesse período, que se prolongou até à entrada do último quarto da etapa inicial, ocorreram duas situações sem grande realce, uma para cada lado. Primeiro foi Banda a atirar sobre o corpo de um adversário, aos oito minutos, a corresponder a assistência de Lanito. Depois foi Gregório a rematar fraco e alto depois de perder muito tempo e espaço para fazer o melhor.

Depois do início sombrio, a União Desportiva do Songo começou a revelar-se com jogadas mais organizadas e vistosas, sobretudo pelos flancos, explorando as qualidades técnicas de algumas das suas melhores pedras, nomeadamente Lanito e Luís Miquissone, encostados à direita e esquerda do ataque, respectivamente. Surgiram algumas projecções para a zona de finalização  que levaram algum perigo.

Numa delas, Luís Miquissone cruzou da esquerda para o segundo poste, tendo Lanito atrasado de primeira para Toni, que cabeceou pouco ao lado, aos 28 minutos. Foi o primeiro lance de grande perigo.

O Estrela reagiu com um pontapé livre próximo da grande área, mas o remate de Kikito levou um pouco de altura, aos 38 minutos.

Mas porque o pendor ofensivo estava do lado da equipa do Songo, o perigo esteve mais do lado “alaranjado”. Aliás, o Estrela estava trémulo e não conseguia sair a jogar com segurança.

E a fechar a primeira parte, Lanito, em mais um pontapé de canto, levou a bola à cabeça de Banda, que desviou para o ângulo mais distante. Porém, Mucuapel, na tentativa de dar melhor direcção à bola, fez o pior, desviando o esférico da trajectória da baliza, aos 41 minutos.

Como dissemos, a segunda parte foi mais produtiva. A equipa de Songo continuou a deter maior posse de bola, mas foi o Estrela Vermelha o conjunto mais ousado em termos ofensivos.

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: Filimão Correia, auxiliado por Pedro Madala e Simões Guambe. O quarto árbitro foi Carlos Guambe.

ESTRELA VERMELHA – Castro; Allan, Obed, Hilário e Kikito;  Gregório, Loló, Cley e Yanick (Souto); Rachid (Dino) e Chorão (Matinde).  

UD SONGO – Swin; Sataca Jr.; Mano, Mucuapel e Jorge (Betinho); Zé Luís, Lanito (Germínio), Banda e Toni; Chereque (Bongani) e Luís Miquissone.

DISCIPLINA: Cartões amarelos para Yanick e Allan.

FER. NAMPULA, 1-LIGA, 2 - Que “ofertas” de Rodrigues!

MOUZINHO DE ALBUQUERQUE

PRIMEIRO dizer que globalmente foi um jogo fraco. Porém, na primeira parte foi a Liga Desportiva de Maputo que mais ataques e perigos insistentes criou junto da baliza defendida por Rodrigues, que resultaram em dois golos, sendo o primeiro aos 15 minutos, por intermédio de Osvaldo, num livre directo, e o segundo aos 38 minutos, através de Sonito. 

Na realidade, os dois conjuntos não foram capazes de proporcionar uma partida interessante de se assistir. Houve mais violência do que futebol, especialmente na segunda parte, que resultou na expulsão de Momede por desobedecer a decisão do árbitro. A mesma sorte teve o seu treinador, Ali Hassane 

Com estes dois golos, que foram uma autêntica “oferta” do estreante Rodrigues, esperava-se que os jogadores do Ferroviário reagissem, imprimindo outra dinâmica ao jogo, pelo contrário, ficaram mais “invisíveis” e apáticos no terreno, uma postura que há muito não se via.

O facto levou a que em várias ocasiões da contenda os visitados fossem remetidos ao seu sector defensivo, até que o árbitro apitou para o fim dos primeiros 45 minutos.

O segundo tempo teve um único golo, dos “locomotivas”, marcado por Osvaldo aos 49 minutos. Mesmo com este tento os locais continuaram a actuar com coração do que com a cabeça, o mesmo acontecendo com os visitantes.

Todavia, jogando sem convicção, esta etapa valeu pelo empenho e combatividade demonstrada pelos defensores da Liga Desportiva de Maputo, que tudo fizeram para que saíssem do Estádio 25 de Junho com os três pontos em disputa, rechaçando de qualquer maneira todas as investidas contrárias. 

Em suma, foi um jogo anémico, em que os intervenientes não tinham argumentos para expressar a suas capacidades e visão para que a partida interessasse o público que acorreu em número razoável ao Estádio 25 de Setembro.  

 FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO- Andilo Mamudo, auxiliado por Júlio Muianga e Fonseca Kuinica.

FERROVIÁRIO DE NAMPULA - Rodrigues, Gervásio (Ernest), Jemes, Salomão, Belo, Kalanga, Imo, Banda, Raul (Gildo), Ndazione (Hipo) e Vivaldo.

LIGA DESPORTIVA DE MAPUTO- Milagre, Liberty (Elias I), Xico, Sonito (Elias II), Gildo, Osvaldo (Andro), Momede, Eusébio, Bheu, Kito e

ACÇÃO DISCIPLINAR -  Amarelo e vermelho para Jemes e Momede, respectivamente.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction