Imprimir
Categoria: Desporto Nacional
Visualizações: 470

Fecha amanhã a edição-2018 do Campeonato Nacional de Futebol, o Moçambola, com quase todas as questões arrumadas, desde o título até à manutenção, com o 1.º de Maio de Quelimane a ser a única equipa que sonha com a permanência, embora com uma esperança bastante difícil.

O 1.º de Maio desloca-se a Maputo para medir forças com o Costa do Sol, com uma missão hercúlea; pois, deve ganhar por, pelo menos, quatro golos de vantagem e esperar que o Ferroviário de Nacala seja goleado por mais de cinco bolas no Chibuto.

Matematicamente muito difícil para os “trabalhadores” que, depois do empate caseiro, semana passada com a UD Songo, hipotecaram praticamente as hipóteses de manutenção, ao mesmo tempo que o representante de Tete festeja o título. Com 31 pontos, o 1.º de Maio de Quelimane tem menos três que os “locomotivas” de Nacala, pelo que deve ganhar e esperar que o “goal-average” lhe ajude.

Esperanças ténues de manutenção, numa ronda que será de festa no Songo. Os “hidroeléctricos” recebem o Maxaquene para o jogo de consagração, no qual espera-se uma enorme moldura humana proveniente de diversos quadrantes do país. A UD Songo vai receber a taça de campeão e as respectivas medalhas, algo que acontece pelo segundo ano consecutivo.

Em Nacala, o já aliviado Desportivo local recebe o Incomáti, que também tem garantida a manutenção na prova para o ano. Em Gondola, os desprovidos UP de Manica e Sporting de Nampula jogam entre si, num ambiente que se espera de mais hospitalidade do que hostilidade, pois não há nada a ganhar, muito menos a perder.

Em Vilankulo, a ENH mede forças com o Ferroviário de Maputo, o novo vice-campeão. Na Matola “C”, a Liga Desportiva recebe os “locomotivas” da Beira, sendo que os de Nampula batem-se com o Textáfrica, uma das equipas revelação da presente edição do Moçambola.