A fábrica Cimentos de Moçambique está a produzir abaixo da sua capacidade instalada, em resultado da queda na procura de cimento no mercado nacional.

No ano passado, o conjunto das fábricas da Cimentos de Moçambique disponibilizou 1,65 milhão de toneladas de cimento ao mercado. No entanto, a companhia tem a capacidade para produzir o dobro.

O director-geral da empresa, Jorge Reis, reconhece que o agravamento dos preços contribuiu para a redução do consumo em cerca 25 por cento, mas explica que o reajuste deveu-se, em parte, à desvalorização do metical face ao dólar norte-americano, moeda em que são adquiridas as matérias-primas para o fabrico de cimento, no caso o clínquer, gesso, papel, entre outras.

Segundo a fonte, a contínua valorização do metical face ao dólar norte-americano pode ser determinante para a redução do preço do saco de cimento, o que vai estimular a procura. Jorge Reis estima que, no presente ano, a demanda global de cimento seja de 2.5 milhões de toneladas, quantidade que vai ser provida pela indústria nacional e pelas importações.

“Quanto mais baixo for o preço do cimento, maior serão as nossas vendas e as fábricas estão preparadas para isso. Nós não temos interesse em vender pouco cimento e nem em ter um preço alto, mas sim em ter o preço mais baixo possível”, disse.

A Cimentos de Moçambique, que opera no país desde 1924, por muito tempo deteve o monopólio da produção de cimento.

“A concorrência é bem-vinda desde que todos trabalhemos em pé de igualdade e obedeçamos as normas e regras. Não devemos temer, mas devemos ser melhores que os outros fornecedores”, apontou o director-geral da Cimentos, que entende que o governo deve adoptar medidas proteccionistas de modo a salvaguardar os interesses dos fabricantes nacionais.

Acredita que o conjunto das empresas nacionais pode garantir até quatro milhões de toneladas de cimento, o que não justificaria a opção pelas importações.

“Compete ao governo proteger a indústria nacional. Há que agravar as taxas de importação porque já existe capacidade nacional instalada. Há quatro anos, chegava muito cimento importado, porque a indústria nacional não conseguia suprir a demanda”, referiu.

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1541 visitantes em linha