O SECTOR bancário moçambicano, mesmo após duas intervenções do banco central, está-se a revelar bastante flexível, numa altura em que a economia está já em processo de aceleração do crescimento, depois de um 2016 muito difícil, consideram os analistas internacionais.

Moçambique sofreu, no ano passado, dificuldades económicas e financeiras devido à suspensão de ajudas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e principais doadores, depois que se divulgou que duas empresas públicas tinham contraído empréstimos no montante de 1,2 mil milhões de dólares com o aval do Estado.

Lembram os analistas que o empréstimo de 850 milhões de dólares contraído pela Empresa Moçambicana de Atum (Ematum) foi amplamente noticiado em devido tempo, tendo mesmo tido lugar em Cherbourg, norte de França, a assinatura do contrato para a aquisição de barcos de pesca e de vigilância costeira, no decurso de uma cerimónia que contou com a presença dos presidentes de Moçambique, Armando Guebuza e de França, François Hollande.

Na banca, a crise financeira agravou a saúde de dois bancos, Nosso Banco e Moza Banco, obrigando à intervenção do regulador, o Banco de Moçambique (BM), apesar de o cenário de agravamento não estar totalmente afastado, o sector mostra-se suficientemente flexível, de acordo com a Economist Intelligence Unit citada pela agência macauhub.

“O banco central permanecerá amplamente independente” e, apesar do “risco de uma crise em todo o sector”, a “previsão é de que os grandes bancos serão capazes de resistir às pressões e que os bancos mais pequenos não representam uma ameaça sistémica”, refere a EIU no seu mais recente relatório sobre Moçambique.

Os fundamentos macro-económicos de Moçambique melhoraram desde a crise de liquidez de 2016 e o ​​BM começou a flexibilizar a sua política monetária, mas, afirma a EIU, as “pressões que assolaram o sector bancário estão longe de terminar” devido ao crédito malparado e à exposição de alguns bancos ao sector público, nomeadamente, aos empréstimos “escondidos.”

Depois de o BM ter aumentado os requisitos de capital, a EIU espera que alguns dos mais pequenos bancos do país venham a encerrar nos próximos meses, mas os três maiores bancos, que colectivamente possuem mais de metade dos activos e depósitos totais, têm condições para resistir às adversidades, “recorrendo aos seus proprietários estrangeiros para financiamento adicional, se necessário.”

Particularmente, em relação à solução encontrada pelo Banco de Moçambique para o Banco Moza – a sua capitalização através do próprio fundo de pensões do regulador (Kuhanha), que veio diluir a participação dos dois principais accionistas, Novo Banco (Portugal) e Moçambique Capitais, para 10 por cento cada – a EIU considera uma solução justificável.  

 

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

LOCALIZADA no extremo norte da província de Cabo Delgado, fazendo fronteira ...
2017-10-22 23:30:00
FRETILIN é nome de um dos movimentos que lutaram pela independência de ...
2017-10-22 23:30:00
NA semana passada vimos mais um acto mediatizado de demolições de ...
2017-10-22 23:30:00
HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2178 visitantes em linha