Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

A EMPRESA Moçambicana de Dragagem (EMODRAGA) acaba de ser subcontratada pela firma holandesa Van Oord, para reforçar a operação de dragagem de emergência do canal de acesso ao Porto da Beira, em Sofala, iniciada em Novembro de 2017, com o fim previsto para Abril deste ano.

Domingos Bié, Presidente do Conselho de Administração da EMODRAGA, que confirmou esta informação ontem ao “Notícias”, sublinhou que a sua instituição opera nesta componente com duas dragas com capacidade para mil metros cúbicos cada.

Trata-se das dragas Aruangwa, que recentemente esteve em reabilitação na África do Sul, e Alcântara Santos, duas embarcações de sucção que se juntam a outras duas da holandesa Van Oord, que ganhou o concurso para a dragagem de emergência no porto da Beira por um período previsto de seis meses.

Bié entende que a entrada em serviço da EMODRAGA como subcontratada nesta fase de emergência significa uma preparação e um afinar de máquinas para atacar a dragagem de manutenção, que é a sua principal actividade e razão da existência desta empresa pública.

O gestor descreve o facto como uma oportunidade para a EMODRAGA explorar as novas técnicas de dragagem e aperfeiçoar as melhores práticas em uso na área pois, no seu entender, a Van Oord é uma das melhores empresas de dragagem ao nível internacional.

A operação abrange a dragagem de emergência do cais e bacias de manobras do Porto da Beira, incluindo a repulsão de areias para o aterro da futura Terminal de Cereais. Estima-se que sejam removidos aproximadamente três milhões de metros cúbicos de sedimentos.

O projecto está orçado em cerca de 25 milhões de Euros, assegurados por fundos próprios da Empresa de Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM).

Basicamente, pretende-se que no final da obra, sob fiscalização do CFM, seja permitida a reposição das larguras do canal de 135 para 250 metros, bem como as cotas do projecto de menos 8.00 e menos 9.20 metros, nos troços rectos e na chamada curva de Macúti, respectivamente.

Terminada tal dragagem de emergência, o Porto da Beira voltará a ser demandado por navios de tipo PANAMAX até 60 mil toneladas de arqueação bruta, operando 24 horas por dia, contra a actual capacidade fixada em até 30 mil toneladas de peso bruto.

De acordo com o cronograma das actividades previstas, depois da dragagem de emergência, o Porto da Beira vai ser novamente alvo, ainda este ano, de uma dragagem de manutenção por um período de 18 meses, mas regido por um outro contrato.

Assim, a EMODRAGA se mostra disponível a atacar a empreitada já com uso da maior draga oceânica do país, denominada Macúti, com capacidade de 2.500 metros cúbicos de sedimentos.

A embarcação em causa está ser alvo de uma reabilitação completa na África do Sul depois de ter colidido, no ano passado, com um navio que navegava com bandeira de Panamá no canal de acesso ao Porto da Beira, tendo resultado em avultados danos materiais, sobretudo na dita casa das máquinas, que entretanto foram renovadas com fundos da sua seguradora internacional.

Horácio João

Sábados

CLICKADAS

...

A ROTA do desenvolvimento é uma peregrinação cheia de ...

TEMA DE ...

NO princípio do ano o Conselho Municipal da Cidade de Maputo prometeu ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction