O GOVERNO do Sudão do Sul gasta uma grande parte dos lucros petrolíferos na compra de armas, enquanto o país enfrenta uma fome causada pela guerra local, segundo relatório das Nações Unidas publicado na sexta-feira.

O documento, que foi consultado nesse mesmo dia pela AFP, pede um embargo de armas contra aquele país que foi apoiado pelos Estados Unidos, mas rejeitado em Dezembro último pelo Conselho de Segurança.

“As armas continuam a inundar o Sudão do Sul muitas vezes em coordenação com os países vizinhos”, indica o relatório, redigido por um painel de especialistas.

“Foram descobertas evidências claras de que os líderes do país continuam a obter armas para o Exército, serviços de segurança, milícias e outras forças associadas”, acrescenta.

O Sudão do Sul obtém 97 por cento da sua renda por meio da venda do petróleo. Do final de Março ao final de Outubro de 2016, a venda do petróleo representou aproximadamente 243 milhões de dólares, segundo cálculos dos especialistas.

Pelo menos a metade, “e provavelmente muito mais”, do orçamento é para a segurança, incluindo a compra de armas, acrescenta o relatório.

O Governo do Presidente Salva Kiir continuou adquirir armas apesar da fome ter sido declarada no estado Unidade, onde pelo menos 100 mil pessoas morreram.

Enquanto isso, uma alta funcionária das Nações Unidas manifestou-se, quinta-feira, preocupada pela deterioração das condições humanitárias, nos últimos meses, em várias partes do Sudão do Sul.

Num relatório apresentado ao Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, Yasmin Sooka, chefe da Comissão sobre os Direitos Humanos no Sudão do Sul, revelou que as detenções arbitrárias, tortura, violação e assassinatos tornaram-se a norma naquele país.

Ela afirmou que para prevenir a escalada de abusos dos direitos humanos, num país onde a “impunidade é norma”, a comunidade internacional deve estabelecer um tribunal e levar os implicados à justiça.

Sooka apelou as autoridades sul sudanesas para levar a cabo uma investigação, com vista a determinar relatos de crimes cometidos naquele país africano.

Versão-Impressa


Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 19 Maio 2017
O Conselho Constitucional declarou, há dias, inconstitucional a norma que confere ao ministro do pelouro do Trabalho a prerrogativa de revogar a autorização de trabalho de cidadãos estrangeiros. Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Festival Azgo: Som, cor e luz até ao raiar do...
Quarta, 24 Maio 2017
COMO já é habitual, no mês de Maio a cidade de Maputo pára a fim de acolher um dos festivais que aos poucos vai conquistando destaque na programação artística de Maputo e do país. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,10 61,27
ZAR 4,57 4,65
EUR 67,42 68,73

23.05.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

EM algumas famílias africanas, incluindo as moçambicanas, sobretudo no ...
2017-05-24 23:30:00
EM todos os países, sobretudo carenciados em infra-estruturas sociais e ...
2017-05-24 23:30:00
QUANDO Gambete caiu doente nunca alguém imaginou se tratar do ...
2017-05-23 23:30:00
DIZIA no primeiro texto desta série que a mais recente e abjecta ...
2017-05-23 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1827 visitantes em linha