Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

OS catalães defensores da independência da Espanha estão convencidos de que o presidente da região “esteve bem” ao decidir “fazer um compasso de espera” para tentar, através do diálogo, dar “uma última oportunidade” ao governo de Madrid.

“Penso que está muito bem o que [Carles Puigdemont] fez. É prudente e sensato ao dar uma última oportunidade a Madrid para dialogar”, disse hoje (11 Out) à agência Lusa Marta, 51 anos, quando ia a caminho do trabalho na Praça Urquinaona, no centro de Barcelona.

Na terça-feira ao fim da tarde, o presidente do Governo regional catalão, Carles Puigdemont, em vez de declarar solenemente a ansiada independência da região no parlamento regional, disse que assumia o “mandato do povo” para que a Catalunha seja um “Estado independente”, propondo a suspensão dos seus efeitos para procurar o diálogo com Madrid.

“Parece-me muito inteligente não declarar a independência para não fechar todas as portas”, afirma Maria com 33 anos, acrescentando que “está aberta uma última porta de diálogo e agora é preciso que algum país europeu tente mediar” o conflito entre Espanha e a sua região mais rica, a Catalunha.

Também a caminho do trabalho, José Maria estava convencido de que Puigdemont tinha mesmo feito uma declaração de independência, “mas de forma não oficial, para não assustar e manter as possibilidades de diálogo”.

“Foi o correto, aprovou a independência, mas suspendeu-a. Trata-se de dar um passo para trás para depois dar dois para a frente”, disse.

“Acho que [Puigdemont] é uma pessoa valente que está a fazer o que tem de ser feito para alcançarmos a independência”, defendeu Marta, uma jovem professora de 28 anos, que mesmo assim admitiu ser "tudo ainda muito imprevisível”.

Todos aguardam agora a reacção do Governo espanhol, que se reúne de urgência hoje e insiste em tratar o problema com a Catalunha como uma questão interna, sem necessidade de ajuda ou intermediação de qualquer parceiro europeu.

Ao fim do dia de terça-feira, Madrid já avançou que a declaração de Puigdemont era “inaceitável” porque era sustentada por um referendo de autodeterminação ilegal.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy irá ao parlamento de Madrid hoje para discutir a situação e apresentar a estratégia para as próximas semanas. O Executivo espanhol estuda “todas as opções” para responder à situação na Catalunha.

 “O governo está reunido e está a estudar todas as opções” disse uma fonte governamental à Agência France Press.

Entretanto, o porta-voz do Governo regional da Catalunha (Generalitat) disse hoje que não é preciso esperar semanas para saber se há vontade de dialogar por parte do Estado e garantiu que serão consequentes com o compromisso de proclamar a república catalã.

Hoje, em declarações à Cataunha Rádio e TV3, o porta-voz da Generalitat, Jordi Turull, valorizou o “gesto de diálogo sincero” de Puigdemont e defendeu que esse “tempo morto” é o “melhor investimento” para que o mandato do referendo de 01 de Outubro, suspenso pelo Tribunal Constitucional, seja efectivo.

Advertiu, contudo, que esse espaço de tempo e esse gesto de diálogo não pressupõe renunciar “a absolutamente nada”, nem qualquer passo atrás no processo de independência.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction