Na altura em que acolho, verdadeiramente lisonjeado, o convite para também participar da solenidade dos 90 anos do “notícias”, algumas ou muitas vidas podem estar sob a mira desta incompreensível intolerância e da tensão político-militar, actos que ameaçam a paz e a concórdia entre indivíduos da mesma raça: moçambicanos.

Por isso mesmo peço para que me desculpem o involuntário enternecimento das palavras que, justamente, deveriam soar alegres, vistosas e até mais condizentes com a festiva ocasião.

É que, como dizia Mia Couto numa empolgada aula de sapiência,, o director que há 30 anos vim encontrar neste “notícias” de 90 anos cheios e abarrotados, “não existe valor mais precioso que a paz, esta um outro nome para a própria vida”, por isso mesmo, não tendo podido conter-me, também, de arrebatar e desesperadamente evocar a vida antes de amanhar as palavras que me pedem.

É porque o “notícias” foi essa escola de comprometimentos e causas, mas sobretudo essa instituição que, mais do que representar responsabilidades, sempre interpretou essa figura de referência e de insinuação de actos de cidadania que ao longo dos tempos contribuíram para moldar e ajustar a maneira de ser dos moçambicanos. Este peculiar de responsabilidade sente-se mesmo a partir do momento em que se entra na Redacção pela primeira vez.

Em 90 anos de história é natural que várias épocas se tenham desfilado nas suas páginas e nelas se estampassem sensibilidades e afectos, regimes e vontades, estas últimas nem sempre percebidas. Mas é preciso assinalar o que esta exposição significa para que todos estes períodos, incluindo os mais sinistros da nossa idade de colonizados, estivessem ao dispor da História para os julgar e até para os condenar ou aclamar, porque felizmente nesta trajectória de transcrever e reproduzir épocas houve vozes e pessoas que, na calada ou mesmo dissimuladas, não se conformaram e insurgiram-se contra a ditadura colonial e contra preceitos fascizantes.

Pois que essas são memórias cuja conveniência e intensidade interessam para perceber também a História de Moçambique. Porque o “notícias”, com maior ou menor mérito, nela participa não somente como narrador e contador de estórias, mas também como actor e personagem de quase todas as etapas de luta e de construção do país. E todas essas etapas contam, seja até para perceber Moçambique, a sua proveniência e todas as suas idades.

Mesmo reconhecendo-me descalço para aprofundar a ideia de uma política editorial do “notícias”, o que posso dizer é que felizmente este edifício de incumbência e responsabilidade tem permanecido imune ao jornalismo “gay-gay” que entretanto surgiu num contexto multipartidário que permitiu o surgimento de novos jornais e novas publicações. Mas é pena que o comprometimento do “notícias” com a responsabilidade e com a moçambicanidade seja confundido com alinhamentos ou renques partidários. Porque nem sempre são.

No actual mundo de encantamento tecnológico pode ser que os processos de acomodação e adaptação aos momentos e contextos não sejam suficientemente céleres no jornal, mas a verdade é que o “notícias” tem-se integrado nestas dinâmicas de crescimento com algum discernimento intelectual, até porque só assim se percebe a autoridade moral do jornal junto dos seus leitores e o quadro de equilíbrio que mantém no panorama da Imprensa em Moçambique. Essa firmeza e o modo de estar responsável diante de uma sociedade instável e em constante mutação tem sido capital para a estabilidade emocional do país. O “notícias” mantém as pessoas desembriagadas e isso é muito importante quando estamos diante de muitas influências e ascendências, a maior parte das quais nefastas e destrutivas.

Numa nação ora em processo de cicatrização, ora de reabertura de profundas chagas é importante que intelectualmente o país pouco se exponha a promiscuidades e realce as suas congruências. Nisso o “notícias” tem ajudado com a sua notória sobriedade e cometimento com um moçambicanismo responsável que, de facto, multiplica os consensos disponíveis.

Permitam-me a ousadia de terminar como comecei, subvertendo Mia Couto e dizendo que este é “o jornal que era uma casa e a casa que era um país!”.

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2050 visitantes em linha