Categoria: Primeiro Plano
Visualizações: 1063

As obras da reconstrução da estrada que liga a zona de Km 15 e o bairro de Nkobe, na Machava, município da Matola, estão numa fase avançada, o que já se reflecte pela melhoria da circulação de viaturas.

Com cerca de quatro quilómetros, a via está a ser reasfaltada desde início do presente ano.

As obras, esperadas há anos devido ao estágio de degradação em que a estrada se apresentava, estão avaliadas em cerca de 25 milhões de meticais financiados conjuntamente pelo Fundo de Estradas e pelo Município da Matola.

Apesar dos trabalhos não estarem concluídas, já se circula com algum conforto naquela estrada, contrariamente ao que se verificava até Dezembro, antes da intervenção dos empreiteiros.

A melhoria das condições da ligação Km15-Nkobe poderá minimizar a falta de transporte de passageiros, na medida em que os “chapas” e os autocarros da extinta TPM vão, certamente, reatar as carreiras de/e para aquele bairro da Matola.

Com uma estrutura urbana desde o ano 2000, inicialmente para o reassentamento das famílias afectadas pela Estrada Nacional número quatro (EN4), Nkobe registou um desenvolvimento significativo nos últimos anos, sendo actualmente um dos bairros de expansão de referência da Matola.

Entretanto, o trabalho tem levantado inquietações quanto à durabilidade da estrada. O problema reside no facto de os construtores, o consórcio JJR Moçambique e jrc – Construções, não terem retirado o anterior asfalto mas optado em colocar o novo piso por cima do outro que se apresentava em estado de degradação.

Reagindo à estas preocupações, Laitone Melo, vereador de Obras e Infra-estruturas municipais na Matola, tranquiliza a todos afirmando que foi montada uma base mais consistente antes do arranque da asfaltagem pelo que não há razões para pânico.

“A estrada está a ser bem-feita. A sua construção obedeceu às regras. Está dentro dos standards e acreditamos que vai durar”, disse.   

As obras incluem a colocação de margens com lancis, retirada das passagens molhadas e colocação de manilhas no seu lugar para o escoamento das águas de uma berma para outra.

Até ao momento, o empreiteiro está a concentrar os esforços na colocação do asfalto, devendo, segundo o vereador Melo, avançar depois para a montagem de lancis que deverão proteger a via da erosão.

“As bermas serão protegidas por lancis. Isso está previsto no contrato para evitar uma rápida destruição da via”, garantiu a fonte que temos vindo a citar.