Categoria: Primeiro Plano
Visualizações: 1056

AO mesmo tempo que são uma ferramenta extremamente importante e boa, dadas suas vantagens, as redes sociais são também um meio perigoso quando mal usadas, defendeu Célia Claudina da Rede de Comunicadores Amigos da Criança (RECAC).

Elas põem as pessoas a comunicarem-se em muito curto espaço de tempo. A rapidez torna as coisas mais dinâmicas, o que difere da era da carta em que para se comunicarem as pessoas levavam muito tempo.

A título de exemplo, falou do caso mais recente que é o da eleição do novo Papa que enquanto o conclave anunciava estava meio mundo interagindo e trocando muita informação à volta do assunto.

“Enquanto por um lado os jornais e as televisões preparavam-se para editar os seus materiais por via do facebook já se trocavam mensagens sobre o evento, vida e obra do novo sumo pontífice”, exemplificou a nossa interlocutora.

Concorda com a criação de um instrumento legal mas é da opinião que, enquanto isso não acontecer, podia-se recorrer à lei que pune os crimes de calúnia e difamação, pese embora reconheça a fragilidade da mesma dada a facilidade de manipulação. 

“ Na minha opinião podia-se recorrer à lei que pune crimes de calúnia e difamação para casos de crime feito a partir da internet. Mas creio que podem facilmente haver manipulações ao ponto de não se chegar a produzir uma prova sobre o presumível autor de uma determinada informação difamatória”, salientou Célia Claudina.