Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Acento Tónico: Construir à distância (1) - Júlio Manjate - (Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.)

 

AO fim de seis anos a trabalhar na cidade grande, onde vivesozinho numa casa arrendada, Joshua decidiu aplicar aseconomias que juntara, na construção de casa própria. Numterreno que herdara de seu pai, lá na terra-mãe. Numa das viagensque fez à terra, Joshua identificou um solteiro-maior a quemcontratou para trabalhar como guarda, dormindo no enormebarracão que construiu em caniço, para armazenar o material.

De uma só vez, comproualguns milhares de blocos, mandoudescarregar cerca de 30 metros cúbicos de areia, comprouvários molhos de ferro de diâmetros diversos e providenciou osprimeiros cem sacos de cimento. Também contratou um pedreirolocal que lhe pareceu simpático, honesto e competente. Firmou umcontrato por objectivos: feita a laje do pavimento e levantadas as primeiras cinco fiadas de blocos, receberia 50 por cento do orçamento, através de uma transferência. O resto receberia depois da cobertura, antes de avançar para outras fases. Para ele, umavez iniciada, a obra só podia parar por qualquer outromotivo, não por falta de material.

De facto, a obra arrancou e passaram-se exactas vinte e duas semanas, até que teve a oportunidade de ir ao terreno ver o que estava a acontecer.

A obra estava levantada, perto da altura da última viga. Mas havia aliqualquer coisa que não parecia bater certo… Pelos seus cálculos, o trabalho devia estar um pouco mais avançado. Até porque alinhar blocos étrabalho bem mais rápido que qualquer outra fase da construção.

Além disso, lembrou se das vezes que enviou dinheiro para o guarda, via M-pesa, ora para comprar estribos; ora para comprar pregos; ora para alugar andaimes e madeiras, ora para comprar comida para os mestres, enfim, pelos gastos que contabilizara até ali, tinha a ideia de encontrar a obra praticamente concluída. Ademais, dos milhares de blocos que comprara, sobrava uma pequena porção que mal chegariam para erguer o muro frontal.

Quando entrou no barracão, reparou que havia apenas três sacos de cimento no chão. Sem pronunciar palavra, foi ao lugar onde estavam os molhos de ferro que imaginara que fossem suficientes para levar a obra até ao fim. O molho estava magrinho demais para o seu gosto. O guarda acompanhava-lhe os passos, sem pronunciar palavra…

Sem falar, saiu do barracão e, com as mãos nos quadris, lançou o olhar para os terrenos à volta, onde se erguiam muros de vedação que, logo pensou, estavam a ser feitos com parte dos seus blocos, cimento, areia e varões… momentos depois uma camioneta parou mesmo defronte de sua casa e dele desceram dois jovens que pareciam estar familiarizados com aquele quintal. Nem a presença de um “estranho” os incomodou.

  • Que tal mano, viemos buscar mais sessenta blocos. O mestre diz que aqueles não hão-de ser suficientes...

Ouvindo isto, Joshua ficou claro do que estava a acontecer. Quando finalmente decidiu voltar-se, para cobrar satisfação ao guarda, reparou que estava sozinho e o guarda já atravessava terrenos numa corrida louca.

Instantes depois, viu entrar no seu terreno o mesmo mestre que contratara para a sua obra:

  • Vocês estão a demorar com os blocos pah!!! Daqui a nada... - e engoliu o resto do discurso, ao reconhecer o patrão...

Quando Joshua recobrou os sentidos, estava deitado na cama de um hospital. A simpática enfermeira que o atendia explicou que foi lá parar inconsciente no dia anterior, levado por um homem que se identificou como vizinho… Disse que ia avisar a família, mas nunca mais regressou…

Recuperado do trauma, Joshua não parecia disposto a lembrar nada do que tinha acontecido. Queria era regressar para a cidade grande,trabalhar, juntar mais dinheiro para prosseguir com a obra. Em devido momento, procuraria saber do paradeiro do guarda e do vizinho e ajustaria as contas com o pedreiro...

Com ajuda de familiares, Joshua identificou umnovo guarda a quem contratou para ocupar o barracão e velar pelo pouco material que sobrava e, certamente, por outro que, afinal, não pararia de chegar para a obra.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction