DO alto da minha insignificância, com a devida vénia ao poeta-mor, venho hoje ousar prestar a minha singela homenagem ao combatente da Luta Armada de Libertação Nacional, José Manuel Maurício, que perdeu a vida no passado dia 4 do corrente mês e cujos restos mortais já repousam no Cemitério da Santa Isabel, na cidade da Beira.

Ousar, sim. Desconfio até que os mais velhos estejam precisamente a interrogar: quem é este miúdo para falar do combatente José Maurício?

Uma pergunta, diga-se de passagem, justificada, porque estamos a falar, de facto, de uma figura transcendental, cujo percurso não é para ser abordado por mim. Valha a verdade!

De qualquer modo, decidi correr o risco e tudo quanto não puder dizer será por pura ignorância. Nessa altura, todavia, acomodar-me-ei no conforto da intenção.

Tive o privilégio de privar com o combatente José Maurício por razões profissionais e desde logo apercebi-me da sua imensa bagagem cultural e ética, que se resumia na pessoa humilde que foi.

Apesar da aproximação que tive, levei muito tempo a saber, por exemplo, que tinha sido ele o mestre de cerimónia de proclamação da independência nacional, a 25 de Junho de 1975, no Estádio da Machava.

Levei muito tempo a tomar conhecimento desse facto precisamente porque ele nunca se vangloriou disso, como muitos o fariam por muito menos do que ele fez, não só nesse histórico dia mas em toda a sua carreira antes, durante e depois de Nachingweya, como, aliás, foi recordado nas várias mensagens lidas no dia do seu funeral.

Há, pois, por aí, muitos “mestres de cerimónias” que, efectivamente, nunca o foram, tendo, mesmo por isso, que se colocar em bicos dos pés para tentarem ingloriamente aparecer!

E se a humildade ainda é a parte mais bela da sabedoria, como o provérbio enuncia, tenho para mim que o combatente José Maurício deixou verdadeiras lições do saber estar e saber ser no convívio com o próximo.

Tanto foi assim que, à guisa de dar a sua última aula de humildade antes de partir, o combatente José Maurício declinou as salvas de tiros a que tinha direito como Major no momento da sua sepultura. Preferiu, “tão somente”, o acto religioso.

A mim e a outras pessoas esta postura não surpreendeu, pois esta foi realmente a sua forma de estar.

O combatente José Maurício viveu na humildade e na simplicidade. Nunca reivindicou honrarias, pelo menos nunca deixou transparecer isso.

Nunca reivindicou honrarias porque entendia que não foi por elas que dedicou e sacrificou a sua juventude. Foi, isso sim, pela libertação e pela dignificação do homem moçambicano.

Vi-o repetidas vezes a andar a pé, debaixo do sol e da chuva. Vi-o outras várias à espera do “chapa-100”. Cruzei-me inúmeras ocasiões com ele nos mercados informais. Tudo coisas impensáveis, pelo menos para muito “boa gente”. Mas essa foi a sua marca.

Tendo dito isto, e por confessa incapacidade de dizer mais, venho, mais uma vez do alto da minha insignificância, curvar-me perante esta insigne figura e dizer que a sua peregrinação por aqui não passou despercebida, não! Que descanse em paz!

Eliseu Bento

 

 

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,16 61,29
ZAR 4,58 4,67
EUR 68,75 70,04

17.07.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

BALBÚRDIA é o substantivo que caracteriza, melhor, os primeiros dias ...
2017-07-20 06:06:53
TALVEZ seja pequeno demais para falar ainda sobre um dos embondeiros dos ...
2017-07-20 06:05:50
EM minha opinião, os comerciantes que vendem aos humanos produtos alimentares ...
2017-07-19 07:15:52
EM plena cidade de Paris, França, onde esteve de visita no passado dia 13 de ...
2017-07-19 07:14:12
“SE continuarmos unidos, nenhum vento nos vai abanar mas se estivermos ...
2017-07-19 07:12:41