QUANDO o Governo empreendeu uma campanha de registo de cartões de telefones celulares e com prazos estipulados, pareceu incómodo para muitos porque não compreenderam a necessidade deste exercício que chegou a criar enchentes em todos os locais de venda de pacote inicial.

Dizia-se, na altura, que o objectivo era para que, através do registo de cartões, se identificasse aquelas pessoas que, usando os seus telefones celulares, desencadeiam desinformação que acaba por alterar a ordem, segurança e tranquilidade pública, entre outras situações que perturbem a administração do Estado.

Além destas atitudes, dizia-se que a intenção de registo de cartões seria, igualmente, uma plataforma ideal para “pegar” aquelas pessoas que recorrem a estes meios para extorquir valores monetários aos menos atentos, através de transacções bancárias.

Por estes motivos supremos, todos aderiram ao movimento registando os seus cartões. Todavia, quanto mais o Governo “armadilha” os eventuais burladores, estes não desarmam, sofisticam os seus métodos.

“A sua entrevista de emprego está marcada para hoje as 12 horas, não falte. Mais informações sobre o assunto contacte o número 847675901”, recebi esta mensagem há duas semanas no meu celular.

Questionei-me como ir a uma entrevista de emprego se não cheguei a submeter nenhum pedido para esse fim. Fiquei admirado e desvalorizei a mensagem.

Decidi ligar para o número em causa e do outro lado da linha fui orientado para depositar na conta Mpesa, três mil meticais para evitar complicações durante a entrevista de emprego. A vaga era da Electricidade de Moçambique, na cidade de Inhambane. O meu interlocutor disse estar disponível a apadrinhar a minha entrada naquela instituição.

“Meu irmão, quero te ajudar, as vagas são limitadas e há muita procura. Deposite três mil meticais e quando chegar a sua vez da entrevista, tudo vai correr bem”, persuadiu-me.

Só que para a sua infelicidade, para além de eu não me ter candidatado, eu tinha contacto do director da EDM em Inhambane a quem perguntei se tinha lançado algum concurso para admissão do pessoal, ao que respondeu negativamente.

“Meu irmão, essa gente tem muitos truques para ter dinheiro. Aqui não há concurso para admissão ”, respondeu, para depois explicar que também tinha sido vítima dessa tentativa de extorsão de dinheiro, depois do ciclone Dineo.

Recebeu uma chamada telefónica de alguém que se identificou dono de uma empresa chamada Camargo na cidade de Maputo, manifestando a intenção de doar material eléctrico, nomeadamente cabos e postes para a recuperação das infra-estruturas danificadas pelo ciclone.

Entretanto, esta empresa que tinha feito o mesmo numa instituição governamental na mesma província, solicitou o envio de algum valor em dinheiro e que seria devolvido na entrega do donativo.

“Eu orientei para fazer esses contactos junto da EDM-sede, na capital do país, e não solicitar valores monetários de Inhambane”, esquivou o director da EDM.

Entretanto, essa resposta, a Camargo não encontrou numa outra instituição governamental em Inhambane que colocou na conta bancária indicada, mais de 400 mil meticais para a recepção de um contentor cheio de material diverso.

A mesma Camargo elaborou e enviou para a Associação de Futebol da província de Inhambane, um contrato para o fornecimento de diverso material desportivo e de escritório, avaliado em mais de dois milhões de meticais e, em contrapartida, solicitou algum valor para desalfandegar esse mesmo material. O dinheiro solicitado não foi enviado e nunca mais houve contacto.

É um pouco disto. As chamadas telefónicas de desconhecido continuam solicitando dinheiro nas suas contas, mas passado algum tempo, essas contas já não são identificadas nos respectivos estabelecimentos bancários. O verso da moeda se verifica também quando é depositado na sua conta, dias depois o dinheiro desaparece sem que se saiba quem depositou e voltou a levantar.

Quem protege o cidadão desses burladores? Qual é a finalidade do registo de cartões iniciais dos telefones celulares, porque muita gente está a perder dinheiro, transferido com recurso ao Mpesa? Como os bancos podem proteger os seus clientes, evitando que caiam nas malhas dos burladores? Como identificar os proprietários dos números telefónicos que depois de receberem valores monetários, ficam fora de serviço?

Victorino Xavier

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00