Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

Os estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) aprovaram ontem a concessão da categoria de Observador Associado desta organização a oito ...

quinta, 19 julho 2018
Leia +

Economia

O Afreximbank está a fazer um estudo sobre a economia de Moçambique, para depois definir em que áreas e com que montantes vai ajudar, disse à Lusa o director do ...

segunda, 16 julho 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

A SELECÇÃO Nacional Sub-17 de Futebol defronta hoje a sua similar da Zâmbia, a partir das 12:30 horas, em Port Louis, nas Ilhas Maurícias, em partida inaugural do grupo ...

quinta, 19 julho 2018
Leia +

Nacional

A Polícia da República de Moçambique (PRM) confiscou três sacos de canabis sativa, vulgo soruma, na rota do tráfico para o vizinho Zimbabwe, através da linha ...

quinta, 19 julho 2018
Leia +

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim Chissano,  decidiu  autorizar o transporte de passageiros com o uso de carrinhas de caixa aberta, chamadas actual e pejorativamente de “my love”.

Antes dessa autorização governamental, as carrinhas transportavam pessoas perigosa e desumanamente, como se faz hoje na capital moçambicana, Maputo, numa actividade que  já provocou acidentes, causando mortes, feridos e  danos materiais.

Os habituais utentes deste tipo de transporte público argumentam que estão fartos de averbar faltas de comparência ao serviço ou à escola, ou  de se atrasarem  a  diversos outros compromissos, e por isso optam por arriscar as suas vidas empoleirando-se na bagageira  como se de carga inútil ou de gado se tratassem, quer faça frio, ventania, chuva ou sol.

Embora não seja oficial, a  Polícia de Trânsito (PT), aparentemente, foi instruída a  “fechar os olhos” e  deixar que esta  situação prevaleça e perdure  até que, um dia desses, numa solução milagrosa, haja transporte público de passageiros decente e  eficaz. Gostaria de viver muito para ver isso acontecer no meu país.

No entanto, a pergunta que se coloca é: por que antes de autorizar os proprietários deste tipo de carrinhas a  transportar passageiros não se exige que pelo menos se coloquem bancos e  lonas, como no tempo do Governo de Chissano?

Será que é vergonhoso agora assumir que o Estado não tem capacidade de transportar os seus cidadãos em carros fabricados  para o efeito? Não nos esqueçamos que o transporte público de passageiros é responsabilidade do Estado.

Há dias chegaram as automotoras, que segundo os mentores, poderão revolucionar o sector, pelo menos a  nível das cidades de Maputo e Matola, mas não tenhamos ilusão. As duas cidades são grandes em número de residentes e em tamanho geográfico. Seria criancice pensar que teremos de repente o problema de transporte público parcialmente resolvido com as tais automotoras que se prevê sejam conectadas aos autocarros.

Os “my love” vão continuar a  ser parte importante da solução do problema. Temos que assumir que o seu surgimento foi espontâneo e  a sua morte não deve ser por via administrativa. Tem que ser uma morte natural.

Mesmo no sector dos transportes semi-colectivos  de passageiros, vulgo “chapas”,  a situação não é nada boa.

Num autêntico paradoxo, no lugar de passageiros vemos diariamente mercadorias “sentadas”. Fardos de hortícolas, roupa usada e outro de tipo de mercadorias, ocupam lugares reservados aos passageiros.

O motivo é muito simples: com esses fardos os cobradores dos “chapas” colectam relativamente mais do que o preço por  cada utente deste tipo de transporte. Neste caso a PT e  a Polícia Municipal  também vêm o que se passa, mas igualmente “fecham os olhos”, não se sabe bem autorizados por quem.

No nosso país o transporte público privado de passageiros aparentemente não é olhado com seriedade, tanto pelo Estado, como pelos próprios operadores e  mesmo pelos respectivos trabalhadores. Mas, é exactamente este mesmo sector que transporta o maior número de pessoas e causa também maior número de mortes, feridos e  deficientes físicos.

Não se conhece sindicato nenhum de motoristas e  cobradores dos “chapas”. Não acredito que esses trabalhadores estejam interessados em se inscrever  no Instituto Nacional de Segurança Social (INSS).

Nunca os vi a  marchar no dia 1 de Maio e a reivindicar seja o que for, ou a manifestarem  orgulho do que fazem. São trabalhadores marginais, mas são aos milhares. Desculpem-me, mas esta é  a minha percepção.

Quando morrem ou ficam incapacitados no exercício da sua profissão os seus dependentes  permanecem a “ver navios”, ninguém olha por eles. É  difícil conceber que  esta situação se mantenha por muitos e longos anos, quando o aparelho do Estado tem  pessoas que são pagas para pensar em soluções sustentáveis em relação aos problemas desta área muito importante para a  economia nacional.

O “chapeiro” recebe salário, mas sobre esta renda o Estado moçambicano não cobra nenhum imposto. Seria interessante saber quanto o erário público perde só de impostos que deviam ser pagos por esta classe de trabalhadores.  Alguém tem cor agem de pegar numa máquina de calcular e fazer as contas?

P.S. A-propósito, quem mandou acabar com o transporte público e colectivo de passageiros a partir do Aeroporto Internacional de Maputo para o centro da capital do país?

LOBÃO JOÃO

Sábados

TEMA DE ...

A alegoria da caverna de Platão é esclarecedora quanto ...

CLICKADAS

...

José Craveirinha, o nosso poeta maior, escreveu: “O ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction