Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Opinião

Politica

TRÊS oficiais da Renamo foram nomeados para cargos de chefia no Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM). O facto é considerado por ...

sábado, 15 dezembro 2018
Leia +

Nacional

AS mortes por malária reduziram significativamente nos primeiros nove meses deste ano na província de Manica. Com efeito, de Janeiro a Setembro morreram 73 pessoas, dos 369 mil casos ...

sábado, 15 dezembro 2018
Leia +

Autárquicas 2018

A VOTAÇÃO nas oito mesas cujos resultados foram anulados pelo Conselho Constitucional na autarquia de Marromeu, em Sofala, deverá ser repetida até ao dia 25 de Novembro ...

quinta, 15 novembro 2018
Leia +
Pub
SN

Desporto

O MAXAQUENE e o Ferroviário de Maputo são os finalistas da edição 2018 do Campeonato Nacional de Juvenis e o encontro será esta tarde (15.00 horas) no ...

sábado, 15 dezembro 2018
Leia +

Economia

Equipasde auditoria internacional e de segurança de barragens acaba de confirmar o alto grau de fiabilidade dos padrões e processos de gestão de segurança da barragem de ...

sábado, 15 dezembro 2018
Read more

Tecnologias

A aquaculturaé uma alternativa viável para aumentar a produção pesqueira nacional, ao mesmo tempo, que contribui para aliviar a pressão sobre as espécies ...

sábado, 15 dezembro 2018
Leia +

JACOB Zuma, Presidente da África do Sul, tem vindo a ser notícia desde há mais de dois anos, pelos piores motivos. Desde acusações de delapidação do erário público – atenção aos milhões de randes gastos na construção/reabilitação de uma quinta particular, passando pela sua suposta associação com um empresário de origem indiana, considerado corrupto, as suas tentativas de bloquear uma investigação sobre o envolvimento em esquemas de corrupção, desaguando em várias dezenas de suspeitas de favorecimento a empresas e a vários responsáveis de instituições públicas. Está-se, portanto, perante situações que podem levar ao seu afastamento da função de presidente de um dos países mais desenvolvidos de África.

A propósito da possibilidade de umimpeachment, a comunicação social local e internacional diz-nos que o parlamento sul-africano vai liderar um debate à volta dessa possível impugnação. Para esta semana que termina amanhã vai ser produzida uma deliberação sobre os procedimentos a serem seguidos para tirar Zuma do poder. Este passo ocorre depois de o Tribunal Constitucional ter concluído que a assembleia nacional não cumpriu o seu dever ao não responsabilizar Zuma pelo uso de fundos públicos em obras na sua residência privada. Em jeito de lembrete: o tribunal considerou há alguns meses que o Presidente era culpado de violar o seu juramento presidencial ao recusar-se a devolver os fundos usados indevidamente. Na sequência, deu ordens no sentido de a assembleia nacional elaborar procedimentos que possam ser usados para a sua impugnação e posterior responsabilização.

Para viabilizar o afastamento deverá ser produzida uma proposta contendo procedimentos que conduzirão à aplicação da secção 89 (1) da Constituição sul-africana, documento elaborado pelo Parlamento eleito em 1994 nas primeiras eleições pós-“apartheid”, sancionada pelo Presidente Nelson Mandela em 10 de Dezembro de 1996. Trata-se de um articulado que versa sobre a remoção de um presidente em determinadas situações, como é o caso vertente. O processo está a ser dirigido por um sub-comité parlamentar criado especialmente com esse objectivo.

O impacto e o nível da gravidade das acusações que recaem sobre Jacob Zuma atingiram uma dimensão gigantesca, chegando a ameaçar desagregar o Congresso Nacional Africano – ANC, o histórico partido que lutou contra o “apartheid” naquele país. O desfecho da crise foi o afastamento de Zuma da liderança da organização, acto que foi seguido da eleição de Cyril Ramaphosa para dirigir os destinos do partido. Recorde-se que a cisão no seio do ANC havia sido iniciada anos antes com a constituição do Economic Freedom Fighters–partido dos Combatentes pela Liberdade Económica, por Jullius Malema, antigo líder da juventude do ANC que, discordando da forma como o partido era dirigido por Zuma e, sobretudo, por entender que este havia perdido a confiança dos membros, decidiu abandonar a organização.

As acusações contra Zuma são muitas. Mas há uma em particular que merece destaque por ser aquela que parece não deixar margem para dúvidas. Refiro-me ao escândalo em redor da sua propriedade particular em Nkandla, na qual o Chefe do Estado sul-africano é acusado de ter gasto mais de 246 milhões de rands do erário público há seis anos na reforma e modernização da residência privada. Lembre-se, aliás, que foi na sequência da divulgação da informação sobre o gigantesco gasto que Jullius Malema criticou fortemente o Chefe do Estado sul-africano.

Achando insuficientes as críticas que foi dirigindo ao Presidente, e cada vez mais convencido de que com Zuma ao leme do partido nada iria mudar, Malema decidiu abandonar a organização. De seguida, fundou o Economic Freedom Fighters. O passo imediatamente a seguir consistiu na mobilização dos cidadãos para aderirem à luta pela demissão do Chefe de Estado. A partir daqui o rastilho aceso por Malema foi crescendo de tal forma que influenciou outras figuras, não apenas no interior do ANC como também de outras formações políticas. Assim é que aos poucos mas de forma segura mais vozes começaram a ser ouvidas, “chancelando” a ideia da destituição do Presidente, para além, claro, da exigência da devolução do valor gasto nas obras de reabilitação e modernização das instalações da sua propriedade.

Tal como acima referi, e na sequência das exigências para abandonar o poder, Zuma sofreu o primeiro revés político, ao se ver obrigado a abdicar da liderança do ANC. Para o seu lugar foi eleito Cyril Ramaphosa, vice-Presidente do país. A imprensa internacional diz que Ramaphosa quer se desembaraçar rapidamente do caso Zuma, para que o seu partido tenha a possibilidade de renovar a maioria absoluta nas eleições de 2019.

 

Marcelino Silva

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction