Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

A FRELIMO, na cidade de Maputo, lançou ontem um ciclo de formação de quadros visando a preparação dos militantes para o processo de auscultação e ...

quarta, 20 junho 2018
Leia +

Economia

A empresa Aeroportos de Moçambique (ADM) alcançou, em 2017, um volume de negócios de 2,8 mil milhões de meticais, o que representa um crescimento de 2 por cento, ...

terça, 19 junho 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

DAÚDO Razak é o novo treinador do Chibuto, em substituição de Artur Semedo, que se demitiu na semana passada, alegando indecência no clube, logo após a ...

quarta, 20 junho 2018
Leia +

Nacional

A Polícia da República de Moçambique (PRM) em Nampula não confirma a veracidade dos rumores que circulam desde a semana passada, alegando a presença de homens ...

quarta, 20 junho 2018
Leia +

O aproveitamento da água subterrânea na região do Grande Maputo é feito sem o conhecimento das vulnerabilidades a ela associadas e dos riscos que podem advir da sua sobre-exploração.  

A preocupação foi apresentada recentemente, na capital do país, por especialistas da matéria, que discutiram os riscos de salinização do aquífero, com objectivo de elaborar estratégias de mitigação que garantam o abastecimento de água potável para a região periurbana e rural.

No encontro subordinado ao tema “Modelação do Escoamento Subterrâneo no Aquífero do Grande Maputo”, a abertura de furos para fins comerciais foi apontada com um dos factores que está a perturbar o equilíbrio natural entre a água do mar e para uso doméstico.

Segundo os pesquisadores, a ocorrência de água salobre na região do Grande Maputo se deve à sua localização na zona costeira, o que concorre para intrusão salina, tornando-a inútil para o consumo humano e para a agricultura.    

Segundo o gestor do projecto, Dinis Juízo, a predominância da água salobre nas zonas próximas ao rio Incomáti e em parte da região sul da província de Maputo, é originada pelo processo geológico de formação do próprio aquífero. Nesses locais, o acesso à água doce é mediante o abastecimento por camiões-cisternas, uma vez que a rede pública não cobre a área na totalidade.  

“Devido à seca no rio Umbelúzi, o Fundo de Investimento, Património e Abastecimento de Água (FIPAG) projectou a abertura de 46 furos de água, parte dos quais já foram abertos. Esses furos serão explorados com caudais relativamente altos o que poderá trazer graves consequências”, referiu  

Juízo avançou que no âmbito deste projecto que procura avaliar o impacto do aproveitamento da água subterrânea na região do Grande Maputo, foi criada no ano 2000, uma rede de monitorização que nunca chegou a ser operacionalizada.    

Referiu que desde 2016, está em curso um programa de “Mitigação do Impacto de Salinidade das Águas Subterrâneas para a Segurança Hidríca em Zonas Costeiras no Contexto de Mudanças Socioeconómicas e Climáticas”, financiado pelo Governo da Holanda em parceria com a Universidade Eduardo Mondlane (UEM).

Sábados

CLICKADAS

TEMA DE ...

A multiplicidade étnica e religiosa é, sem dúvida, uma ...

...

A busca por um sistema educacional que incluísse as línguas, ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction