ASSISTIR e reabilitar raparigas submetidas a casamentos prematuros é um dos maiores desafios do projecto de protecção da criança lançado no último sábado pela primeira-dama, Isaura Nyusi.

A par disso, e segundo visão da patrona, a iniciativa tem igualmente o compromisso de orientar o foco para a redução da vulnerabilidade das famílias através da expansão dos programas de segurança social básica, além da retenção da rapariga na escola.

Intervindo na abertura do Seminário Nacional sobre Prevenção e Combate dos Casamentos Prematuros e Gravidezes Precoces, realizado sábado e domingo na cidade de Pemba, em Cabo Delgado, Isaura Nyusi mostrou particular preocupação com o reforço de acções de sensibilização das famílias e comunidades visando à protecção das crianças dos casamentos prematuros e outras práticas que minam o seu desenvolvimento.

Segundo a primeira-dama, os casamentos prematuros e gravidez precoce criam impasses no desenvolvimento do país, razão por que exigem um trabalho responsável e consciente com as famílias, comunidades e as próprias crianças, usando metodologias e mensagens adaptadas ao contexto local.

No evento estiveram representadas as lideranças comunitárias e tradicionais, bem como as madrinhas dos ritos de iniciação, que se comprometeram a eliminar práticas nocivas aos direitos da rapariga, através de acções que retardem a participação destas nas cerimónias de iniciação.

Na Declaração de Pemba, apresentada ontem no final do encontro pela líder comunitária da província de Tete Isabel Gravata, os participantes comprometeram-se a mobilizar recursos para a realização de acções de prevenção, combate e assistência às crianças e adolescentes afectados pelo fenómeno.

Dados do Inquérito Demográfico e de Saúde indicam que 14 por cento das mulheres entre 20 e 24 anos de idade se casaram antes dos 15 anos, e 48 por cento casaram-se antes dos 18. Em termos de distribuição geográfica, as zonas centro e norte são as mais afectadas, destacando-se Nampula, Zambézia, Cabo Delgado, Tete e Manica.

“Estes dados colocam Moçambique entre os países com a maior prevalência de casamentos prematuros em África e entre os 11 países mais afectados no mundo. Estamos também preocupados com as gravidezes precoces, que colocam em risco a saúde e vida das crianças e dos bebés”, elucidou Isaura Nyusi.

Tendo e conta que os casamentos prematuros constituem uma violação grave aos direitos humanos e da criança, em particular, com consequências graves no desenvolvimento da criança e da sociedade, o Governo e parceiros têm vindo a levar a cabo acções de prevenção e combate.

“A prestação de assistência multiforme a crianças em situação de vulnerabilidade e seus agregados familiares, através dos programas de segurança social básica, a implementação de programas de saúde sexual e reprodutiva e promoção da educação são algumas da acções que temos vindo a realizar”, acrescentou a primeira-dama.

Presente na cerimónia, a representante-residente das Nações Unidas no país, Edina Culolo-Kozma, disse que as raparigas sujeitas aos casamentos prematuros, além de lhes ser roubada a infância, correm o risco de abandonar a escola e são mais vulneráveis à violência e ao HIV.

“Temos a obrigação de resgatar e recuperar estas sobreviventes e vítimas das uniões forçadas e casamentos prematuros e evitar que outras entrem na mesma situação”, afirmou Culolo-Kozma.

O ponto mais alto do seminário foi o lançamento do “Projecto de Combate aos Casamentos Prematuros – Uma iniciativa da Primeira-dama de Moçambique”, que pretende consciencializar a sociedade sobre a importância da retenção da rapariga e chamar a atenção de todos para participar de forma activa a fim de eliminar estas violações aos direitos da criança.

À reunião de Pemba foram igualmente convidadas a esposa do Presidente da Zâmbia, Ester Lungu; a princesa Tsandzile, da Suazilândia; as ministras da Saúde, Nazira Abdula; do Género, Criança e Acção Social, Cidália Chaúque; as vice-ministras da Juventude e Desportos, Ana Flávia Azinheira; dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Nyeleti Mondlane; a governadora de Cabo Delgado, Celmira da Silva, bem como os cônjuges dos governadores provinciais, líderes comunitários, religiosos, conselheiras e raparigas idas de todas as províncias do país.

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 64,13 65,40
ZAR 4,84 4,93
EUR 69,90 71,28

28.04.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

CELEBRA-SE na próxima segunda-feira o 1.º de Maio, Dia Internacional do ...
2017-04-28 23:30:00
HÁ mais de 100 anos, a cidade norte-americana de Chicago saltou das ...
2017-04-28 23:30:00