A CRISE económica e a tensão político-militar marcaram o início do ciclo de governação do Presidente Filipe Nyusi, o que exigiu da sua parte um grande empenho para assegurar o cumprimento do seu programa de governação. Nesta primeira metade do mandato, iniciado a 15 de Janeiro de 2015, foi revelada a firmeza e dedicação do Chefe do Estado pela causa da nação.

Cidadãos entrevistados ontem pelo “Notícias” convergem na análise de que foi necessária uma postura de estadista e determinação para inverter o cenário que se vivia no país, na altura da tomada de posse.

O PR manteve-se firme - segundo Alexandre Muianga

Alexandre Muianga, residente em Maputo, considera que o mandato do Presidente Nyusi teve um bom início porque todas as condições estavam criadas para a instalação do seu governo, embora caracterizado desde o princípio por alguns problemas financeiros que obrigaram à tomada de medidas de racionalização de meios.

Apesar da situação económica gerada pelo corte da ajuda externa, relacionadas com as chamadas dívidas não declaradas, o Presidente permaneceu firme na condução dos destinos do país, o que resultou nos progressos que estão a ser alcançados.

A par das questões económicas que o país enfrentava, aliado à instabilidade político-militar que impedia a livre circulação de pessoas e bens, condicionando o desenvolvimento, uma vez mais foi determinante a firmeza do Chefe do Estado.

“Houve a criação das comissões de diálogo entre o Governo e a Renamo, mas cedo se apercebeu de que havia a necessidade de assumir directamente os contactos com o líder da Renamo e mostrou que a paz está acima de qualquer interesse. Esta primeira metade do mandato foi caracterizada também pelos progressos alcançados com os novos projectos que estão a dar uma nova perspectiva à economia, para além da mobilização que o Presidente Nyusi faz para o envolvimento da população na produção. Como resultado, vamos ter este ano a maior produção jamais conseguidas nos últimos 20 anos”, disse Muianga, para quem a promessa de retoma do apoio à economia é um bom sinal.

A expansão da rede de energia eléctrica para mais pessoas é também um ganho que espevita a produção e, para Muianga, esta crise experimentada veio dar mostras de que há grande capacidade interna de produzir e gerar riqueza que beneficie os moçambicanos.

No seu entender, constituem principais desafios para a próxima metade do mandato a consolidação da capacidade produtiva e do diálogo que traga a paz efectiva para o país continuar a mobilizar a população que já está a produzir, o que pode ser testemunhado em qualquer parte do meio rural e urbano.

Paz efectiva e combate à corrupção - afirma António Boene

O jurista António Boene considera que para avaliar esta primeira metade da governação do Presidente Filipe Nyusi é importante olhar para as condições em que assumiu a direcção do país, nomeadamente a situação económica desfavorável e a tensão político-militar.

Na sua opinião, esta situação, conjugada com a seca severa que caracterizou a zona sul e cheias no norte, impunha um grande envolvimento por parte do PR para enfrentar os factores internos e externos que condicionaram a sua governação porque, segundo ele, com estes constrangimentos não havia possibilidade de produzir e a economia ficava estrangulada.

“Houve um grande esforço de mobilizar a população para se envolver na produção, numa situação de seca severa e na busca da paz, que acho ter sido um grande ganho até aqui alcançado pelo Presidente Nyusi. O grande desafio que os moçambicanos têm neste momento é o seu envolvimento no trabalho, sobretudo na agricultura, para melhorar a produção, que neste ano poderá ser a maior dos últimos 20 anos”, disse Boene, sublinhando que a grande expectativa para a próxima metade da governação de Filipe Nyusi é o alcance da paz efectiva para Moçambique.

Para além da paz efectiva e a retoma da economia, António Boene aponta as melhorias no combate à corrupção nas instituições públicas e privadas e outros sectores. Considera estas acções como fundamentais para a economia porque este fenómeno, segundo suas palavras, pode encravar o desenvolvimento do país.

As calamidades iam atrapalhar Nyusi - considera Filomena Mutoropa

As calamidades naturais que afectaram o nosso país nos últimos dois anos complicaram o exercício do novo Governo saído das eleições de 2014, de acordo com a delegada provincial do Partido Humanitário de Moçambique (PAHUMO) em Nampula, Filomena Mutoropa.

Esta dirigente partidáriada oposição considera que o Presidente Filipe Nyusi assumiu a presidência num momento em que o país estava a sofrer com as calamidades naturais, com a seca no sul do país e cheias e vendavais no centro e norte.

Contudo, segundo ela, os apelos lançados para a produção revelam a sua preocupação em acabar com a fome no país, o que é positivo para um Chefe do Estado preocupado com o seu povo.

“Há dois anos e meio o metical havia atingido um nível de depreciação muito acentuado, no entanto, agora está a melhorar  face às outras moedas e a contribuir para a redução do custo de vida”, disse Filomenna Mutoropa, para quem esta é uma postura de um Chefe do Estado preocupado com a sua nação.

Acrescenta que neste momento o trabalho desenvolvido pela população é bastante notório em todos os sectores de produção, facto que resulta da mobilização e feita pelo Presidente da República.

Mais recentes

Breves

Editorial

Editorial
Sexta, 18 Agosto 2017
A NOTÍCIA sobre a suspensão da importação, pela Índia, do feijão-bóer caiu que nem uma bomba para todos quanto investiram na cadeia de valor deste produto, por terem acreditado que se estava perante uma grande oportunidade para ter algum rendimento. Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Ameaças na península coreana: Uma guerra...
Segunda, 21 Agosto 2017
HÁ dias o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, ameaçou atacar a ilha de Guam, território americano, no Oceano Pacífico. Na véspera, o Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump, avisou Pyongyang que iria responder com “fúria e fogo”. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,74 61,93
ZAR 4,59 4,68
EUR 71,31 72,71

21.08.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

AS más práticas são para serem desencorajadas e as boas ...
2017-08-21 07:19:38
“OLHA, está aqui na portaria um senhor que pede para falar com um ...
2017-08-20 23:30:00
COMO comuns mortais, andamos condenados a ver tudo e mais alguma coisa que nos leva ...
2017-08-20 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2552 visitantes em linha