PARTIDOS políticos e organizações da sociedade civil, em Manica, defenderam sábado uma regulamentação urgente para reduzir a tensão que se tem registado nos períodos pós-eleitorais.

Recomendaram que sejam postos em prática os pressupostos contidos da Carta Africana sobre Democracia, Eleição e Boa Governação.

O Governo adoptou o documento em 2007, junto com outros 55 membros da União Africana (UA), mas só em Junho foi ratificado pela Assembleia da República.

Durante uma mesa redonda, em Chimoio, sobre a regulamentação e aplicação da Carta Africana no quadro legal em Moçambique, organizações da sociedade civil e partidos políticos indicaram que a exclusão, sobretudo económica, e a intolerância política são as principais causas de conflitos em Moçambique.

O representante da Renamo no encontro, Manuel Macocove, afirmou que a demora na ratificação da Carta Africana indicia o medo da democracia.

“O Estado moçambicano ratificou esta resolução passados 10 anos, o que significa que houve receio durante muito tempo, mas tomou a consciência de aprovar a Carta Africana”, disse Macocove, que defende que o Governo deve investir, por exemplo, em votação electrónica para garantir a transparência do voto e o livre exercício deste direito.

Falou que a regulamentação da Carta Africana pode ter impacto positivo no país, pois defende eleições transparentes, livre e justas, conduzidas por órgãos eleitorais independentes, competentes e imparciais, o que abre precedentes para impugnações aceitáveis.

Rifa Abudo, representante do partido Frelimo, defendeu a massificação da divulgação da Carta junto da sociedade civil e da classe política. Afirmou que a regulamentação pode aliviar conflitos, apelando à coesão nas posições sobre ilícitos para impedir violência.

“A regulamentação da carta vai nos ajudar a saber ser e saber estar nos processos eleitorais”, indicou.

Miguel Ramos, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), disse acreditar que a regulamentação da carta pode levar ao desanuviamento das hostilidades políticas resultantes de eventuais ilícitos eleitorais.

Por seu turno, John Chekwa, da Organização para a Resolução de Conflitos (OREC), considerou o debate um importante instrumento de medição ao pulsar da democracia, eleições e boa governação no país para melhorar o ambiente de conflitos cíclicos pós-eleitorais.

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 790 visitantes em linha