A CASTANHA de caju que se produz no distrito de Chibabava, sul da província de Sofala, já está a ser comercializada no mercado asiático, tendo como ponto de saída o Porto da Beira. Os destinos são concretamente a China, Índia, Singapura e Bangladesh.

O facto foi dado a conhecer numa recente visita da governadora da província de Sofala, Maria Helena Taipo, pelo administrador local, Luís Nhazozo.

 

 O distrito de Chibabava lidera a produção desta cultura de rendimento na província. O preço de compra ao produtor varia entre 48 e 58.00 meticais cada quilograma de amêndoa.

 

Segundo Nhazozo, até Março passado, os produtores tinham encaixado mais de três milhões de meticais com a venda de aproximadamente seis mil toneladas de castanha. Tal representa uma mais-valia para os produtores, sobretudo no aumento das rendas familiares.

 

Enquanto isso, decorre a fase da limpeza das plantas e posterior maneio, num universo de três mil produtores, maioritariamente das povoações de Muxeve, Hode e Panja.

 

O administrador Nhanzozo indicou que de dois em dois anos a produção da castanha de caju tem crescido, associando-se isto a prática de mudas em enxertia com uma meta anual de 40 mil plantas na vila-sede distrital.

 

O distrito de Chibabava já abastece em mudas de cajueiros outros distritos como Dondo e Marromeu, na mesma província, e algumas regiões de Tete, num viveiro que envolve técnicos do sector e alguns sazonais recrutados localmente.

 

A governadora Maria Helena Taipo, que visitou o referido viveiro que em 45 dias de enxertia de plantas já as pode fornecer ao mercado, estimulou a iniciativa, mas exigiu mais empenho dos funcionários ali afectos para o desenvolvimento da província de Sofala.

 

Crise de água será ultrapassada

 

ESPERA-SE que seja ultrapassada até Maio próximo a crise de água potável na vila de Chibabava, na sequência de um projecto de captação do precioso líquido a partir do rio Búzi, devendo beneficiar uma média de 30 mil consumidores.

 

Para tal, foi já lançado o respectivo concurso público cujas obras, avaliadas em 6.290 mil meticais, consistem na modernização do anterior sistema. A ser adquirido directamente da África do Sul, o novo equipamento vai melhorar significativamente as questões de higiene e salubridade. Actualmente, os consumidores, entre os quais doentes internados no Centro de Saúde de Chibabava, bebem directamente água do rio Búzi, com todos os riscos que esse facto representa.

 

 O director do Serviço Distrital de Planeamento e Infra-estruturas de Chibabava, Luís Procoto, realçou que o novo sistema vai conectar-se à rede existente para fornecer água de boa qualidade e tem capacidade de abastecer alguns fontanários.

 

Helena Taipo, que visitou na vila de Chibabava o antigo equipamento, mostrou-se satisfeita pelo facto de que, finalmente, o problema de água potável terá solução na vila de Chibabava.

 

Trata-se de uma zona semi-árida que enfrenta sérios problemas de abastecimento de água potável, devido à alta profundidade a que se localiza o lençol freático, entre 140 e 120 metros.

 

As zonas mais críticas são Hode e Hamambas, sendo que no período seco a população chega a percorrer entre 20 e 30 km para obtenção do precioso liquido.

 

Produção agrícola aumenta

A PRODUÇÃO agrícola no distrito de Chibabava aumentou de 12 mil para 34 mil toneladas  na primeira época da presente campanha 2016-2017, graças ao empenho dos produtores do sector familiar, sistema de mecanização e queda regular das chuvas na região.

 

Já na segunda época, que arrancou em Abril corrente, as previsões do sector de Agricultura e Segurança Alimentar do distrito apontam para uma colheita na ordem de 30 mil toneladas, sendo quatro mil nas áreas ribeirinhas, basicamente milho e hortícolas.

 

Por outro lado, decorre a preparação de uma área de aproximadamente 70 hectares para a produção da batata, num distrito que conta com dois Centros de Prestação de Serviços com tractores e respectivos apetrechos como charruas, semeadoras e atrelados para escoamento da produção, baseados em Muxúnguè e Goonda.

 

O director das Actividades Económicas da zona, Hélder Alberto, que facultou esta informação ao nosso Jornal, sublinhou que, desta forma, está garantida até à próxima safra a segurança alimentar das 19.008 famílias camponesas.

 

Chibabava é potencialmente agrícola em toda a sua extensão, localizada nas encostas dos rios Búzi, Revue e Save, nomeadamente Mutindir, Muchiruta, Toronga e vila-sede distrital.

 

O actual preço da venda de milho está fixado em 100,00 meticais cada lata de 20 kg.

 

Pela primeira vez, o distrito introduziu nesta safra o cultivo de feijão bóer no sector familiar, mas o péssimo estado das estradas dificulta sobremaneira o processo de comercialização dos excedentes dos camponeses.

 

Tomás Manguiza é produtor de sucesso na povoação de Maxiwa, em Chibabava, com uma área de 41 hectares de milho, feijão bóer e gergelim, havendo já intervenientes no processo de comercialização agrícola.

 

Contudo, manifestou o desejo de adquirir um tractor com alfaias agrícolas, com vista a garantir a produção e produtividade, para além do escoamento dos produtos para centros de comercialização.

 

A governadora Maria Helena Taipo escalou áreas deste agricultor, tendo-o considerado um exemplo na luta contra a pobreza absoluta.

 

Orientou as autoridades administrativas locais a continuarem com a assistência técnica e em insumos de produção àquele camponês e não só. Nosvários encontros que Taipo manteve no distrito com líderes comunitários e religiosos, combatentes, mulheres, jovens e população em geral, manifestou a sua satisfação com os esforços dos camponeses, o que permitiu que, acompanhado de queda regular das chuvas, se atingisse uma superprodução agrícola este ano.

 

Horácio João

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,10 61,27
ZAR 4,57 4,65
EUR 67,42 68,73

23.05.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

DEPOIS de um ambiente de quase “cortar à faca” a ...
2017-05-26 23:30:00
A VERDADE é que ele já não está aqui. Faltou a esta aula ...
2017-05-26 23:30:00
HÁ mortos que decididamente se recusam a regressar ao pó donde vieram. ...
2017-05-26 07:15:16
CORRO o risco de ser incompreendido ao abordar um assunto tão delicado como ...
2017-05-25 23:30:00
BRASIL, esse gigantesco país, que me faz lembrar a Suíça, por ...
2017-05-25 23:30:00