Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Opinião

Politica

Decorre este sábado e domingo um encontro para a apresentação das contribuições das auscultações feitas pela Sociedade Civil sobre o Anteprojecto da ...

quarta, 21 novembro 2018
Leia +

Nacional

A primeira fábrica de leite esterilizado em Moçambique está a ser construída no distrito de Sussundenga, na província de Manica, prevendo-se que venha a cobrir ...

quarta, 21 novembro 2018
Leia +

Autárquicas 2018

A VOTAÇÃO nas oito mesas cujos resultados foram anulados pelo Conselho Constitucional na autarquia de Marromeu, em Sofala, deverá ser repetida até ao dia 25 de Novembro ...

quinta, 15 novembro 2018
Leia +
Pub
SN

Desporto

A SELECÇÃO Nacional de Futebol de Sub-23 joga esta tarde (15:00 horas) cartada decisiva em Manzini frente à sua congénere de eSwatini, na segunda “mão” ...

terça, 20 novembro 2018
Leia +

Economia

O GOVERNO vai continuar a apoiar o desenvolvimento da pesca sustentável, introduzindo reformas que garantam a preservação dos recursos pesqueiros para as gerações ...

quarta, 21 novembro 2018
Read more

Tecnologias

O Governo dos Estados Unidos, através do Projecto Feed the Future, Comércio de Sementes da África Austral, anunciou ontem uma doação de cem mil dólares ...

quarta, 21 novembro 2018
Leia +

A ASSOCIAÇÃO Cultural Dans’Artes vai continuar a manter o foco na formação de artistas de “palmo e meio”, com orientação para as expressões de dança e música.

Maria Helena Pinto, directora artística desta agremiação, reitera o compromisso da sua organização artística com a pequenada, realçando que, tal como vem acontecendo nos últimos anos, o “Dans’Artes” dará prioridade à formação de alunos das escolas que se encontram próximas da Vila Artística Dans’Artes, no distrito de Boane, na província de Maputo.

“A nossa associação vai continuar a apostar na formação de crianças e o enfoque da formação será a dança e a música. Tal como está preconizado no nosso programa de actividades, iremos às escolas primárias completas e secundárias de Djonasse, Nelson Mandela e do Instituto Armando Emílio Guebuza, onde há crianças oriundas das comunidades de Djonasse e Djuba. A nossa escola de artes também continuará aberta”, explica Maria Helena Pinto.

No ano passado, por exemplo, o “Dans’Artes” formou mais de 400 alunos em iniciação artística, dança e música, uma acção que contou com a prestação de 10 formadores e com a colaboração de vários técnicos de artes que cooperam com esta escola.

Ainda em 2017, arrancaram com o projecto de formação “Dança e Artes no Distrito”, cujo objectivo é levar as artes e a cultura às comunidades, isto feito dentro do espírito de que elas são um veículo e parte da formação e edificação do Homem.

E há perspectivas de no presente ano o programa “Dança e Artes no Distrito” prosseguir, até porque com este programa pretendem formar profissionais na área artística e cultural, olhando especificamente para a camada infanto-juvenil.

“Queremos também promover o desenvolvimento do sector das artes e da cultura nas comunidades, através da produção, criação artística e exibição de produção artística inter e multidisciplinar. Estamos também interessados em fomentar a preservação e transmissão da herança e do património cultural nacional tradicional através das danças tradicionais moçambicanas, ritmos e cantos locais, bem como na transmissão de conhecimentos, correntes artísticas modernas e universais”, comenta Maria Helena.

E na perspectiva da directora executiva da Associação Cultural Dans’Artes, dos sete aos 18 anos é a idade certa para ensinar técnicas e linhas estéticas do nosso país, mas também de outras realidades e culturas, pois isso vai oferecer aos formandos um conhecimento prático local e igualmente global, bem como favorecer mudanças comportamentais e transmitir valores morais, humanos e estéticos.

 

Sobre técnicas e expressões

O “DANS’ARTES” aposta nas danças tradicionais moçambicanas, como xigubo, niketche, semba, lipekwa, mutxongoyo, limbondo, nhambalo, xingomana, para além da dança moderna/contemporânea, street dance e a expressão corporal.

“O trabalho da dança concentra-se essencialmente na transmissão do património artístico e cultural moçambicano, sem descurar a aprendizagem de vocabulários e linguagens modernas, contemporâneas e internacionais”, frisa Maria Helena Pinto.

No que concerne ao trabalho de aprendizagem no domínio da música, o programa de formação focaliza a educação musical, solfejo básico, canto e ateliê de escrita para canto.

Anota que o enfoque nas danças locais vem responder à questão da preservação do próprio património cultural, rítmico e canções ligadas a estas danças e que constituem um acervo a ser passado às diferentes gerações de moçambicanos.

“Este legado vem valorizar o papel fundamental da nossa história e registo das nossas memórias artísticas e culturais locais e nacionais, pondo em destaque a questão do respeito e construção identitária permanente da nossa moçambicanidade”, diz.

Na componente da música, ela focaliza-se numa educação musical mais virada à intervenção social, ou seja, para o sentido e importância da comunidade, da escola, da saúde e dos valores humanos, cívicos e morais. “Trabalhamos com algumas músicas já existentes, como também incentivamos os alunos a escreverem letras ou composições, das quais se produzirão músicas, defendendo o princípio do conteúdo relacionado com os valores aqui preconizados”, diz.

No seu projecto, o “Dans’Artes” tem apoio da Escola de Comunicação e Artes da Universidade Eduardo Mondlane (ECA-UEM) e de professores de artes. Estão ainda os ministérios da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH), da Cultura e Turismo, e a Cooperação Suíça.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction