O IMPACTO das restrições no fornecimento de água, que oficialmente decorrem desde a última segunda-feira, poderá começar a ser sentido de forma mais intensa a partir de hoje nas cidades de Maputo e Matola e no distrito de Boane.

António Guiamba, porta-voz da empresa Águas da Região de Maputo (AdeM), explica, a este respeito, que o abastecimento alternado começou, de facto, no dia 10, mas o impacto leva um ou mesmo dois dias para se fazer sentir nos consumidores, uma vez que a água leva horas a percorrer as condutas, mesmo após o encerramento no ponto de partida.

Hoje, portanto, poder-se-á ver mais cidadãos a circular pelos bairros com recipientes, em busca de água, num cenário cujo fim está dependente da normalização da disponibilidade na fonte natural: o rio Umbelúzi.

Os operadores privados que abastecem alguns bairros através de furos receiam que as restrições resultem no aumento da procura de água captada nas suas instalações, o que poderá pressionar o aquífero.

Adriano Chirute, que não precisou a quantidade de consumidores que serve, disse que com as limitações da AdeM assistir-se-á, nos próximos dias, a uma forte presença de camiões-cisterna nos bairros, em busca de água, e isto vai pressionar as reservas subterrâneas.

“Estamos todos afectados. Tentaremos colaborar para minimizar a crise”, disse Adriano Chirute, da Associação dos Fornecedores de Água de Moçambique (AFORAMO), agremiação que junta 355 operadores.

A nossa fonte não precisou o número de consumidores servidos pelos associados da  AFORAMO.

Maputo está sob restrições no fornecimento de água desde esta segunda-feira, devido à redução do caudal do rio Umbelúzi.

Os clientes, cerca de 250 mil servidos pela AdeM, foram divididos em dois grupos, que são abastecidos de água em dias alternados.

Hoje, por exemplo, serão contemplados os bairros Central A e B, Sommerschield, Polana Cimento A e B, Mavalane, Maxaquene, FPLM, Hulene A e B, Ferroviário, Laulane, 3 de Fevereiro, Mahlazine e Mahotas. Consta também Alto-Maé A, Malanga, Chamanculo A, Minkadjuine, Munhuana, na cidade de Maputo, e Matola D e F, parte do Fomento e Trevo, Machava-Sede e Vale do Infulene, no município da Matola. Inclui-se também os bairros de Massaca I e II, em Boane.

Versão-Impressa


Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 17 Março 2017
A cólera volta a ser um grande problema para a saúde em Moçambique, agora também em províncias que há vários anos não registavam casos da doença. A primeira ilação que se pode tirar é que pode ter havido relaxamento... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Indústria de Confecções: Um gigante que cedeu...
Terça, 21 Março 2017
A INDÚSTRIA de confecções teve momentos de glória em Moçambique e na região. Mas com o tempo ficou moribunda e colapsou. Não resistiu às vicissitudes do mercado, deixando milhares de operários à sua sorte.  Leia mais Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 68,74 68,84
ZAR 5,42 5,43
EUR 73,76 73,87

17.03.2017   Banco de Moçambique

Temperatura

25.02.2017    INAM

Opinião & Análise

DURANTE quatro dolorosos dias esteve de cama sem que os médicos pudessem ...
2017-03-20 23:30:00
É DELICADO o assunto que trago para esta semana, porque susceptível de ...
2017-03-22 07:46:11
VOU levar emprestadas, com a devida vénia, as palavras de João ...
2017-03-20 23:30:00
A IMAGEM do distrito costeiro de Memba, na província de Nampula, continua ...
2017-03-20 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 4383 visitantes em linha