DIVERSAS instituições públicas são chamadas a explicar a existência de funcionários a mais no seu quadro de pessoal, problema detectado pela prova de vida realizada pela primeira vez de forma electrónica em 2015.

À partida, o Ministério da Administração Estatal e Função Pública (MAEFP) acreditava que o Estado tinha 357 mil funcionários e agentes. No entanto, o processo indicou a existência de cerca de 8600 funcionários a mais, não se percebendo como é que continuavam registados como activos. 

O director de Sistemas e Tecnologias de Informação, Feliciano Chavana, garantiu que a plataforma usada para o registo de funcionários e agentes de Estado indica com precisão as instituições onde as irregularidades aconteceram.

Neste sentido, os titulares das áreas tinham até 30 de Abril para explicar ao MAEFP como é que continuavam nos seus registos com gente já falecida, expulsa e/ou reformada, baralhando completamente as estatísticas e orçamentos.

O responsável acrescentou que, dos cerca de 8600 funcionários e agentes fictícios, pelo menos 2760 auferiam salários normalmente.

O Presidente da República, Filipe Nyusi, falando recentemente no Conselho Consultivo que orientou no Ministério da Administração Estatal e Função Pública, exigiu a realização de um levantamento dos responsáveis por estas anomalias para posterior responsabilização.

O Chefe do Estado reiterou a necessidade de os funcionários e agentes de Estado serem responsabilizados pelos todos os seus actos. É que, actualmente, há em muitas instituições pessoas que faltam e pouco produzem, mas nada lhes acontece.

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 16 Fevereiro 2018
A autoridade gestora de recursos hídricos anunciou, esta semana, maus dias pela frente, no que diz respeito ao abastecimento de água às cidades de Maputo, Matola e Vila de Boane. Na origem da situação está o facto de a barragem dos Pequenos Libombos, o... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Textáfrica: Gigante pode voltar a labutar
Terça, 13 Fevereiro 2018
PARALISADA há mais de duas décadas, a Textáfrica, gigante da indústria têxtil nacional localizado no bairro da Soalpo, na cidade de Chimoio, província de Manica, poderá voltar a produzir algodão, roupa e criar postos de trabalho. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,31 59,47
ZAR 4,74 4,83
EUR 70,23 71,64

25.01.2018   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

O PAÍS, de modo particular as zonas norte e centro, está a ser ...
2018-02-17 00:30:00
GLÓRIAMaria, hoje tive a certeza de que a terceira idade é um ...
2018-02-17 00:30:00
DESDE que a 7 de Fevereiro, o mais alto magistrado da nação anunciou, ...
2018-02-16 00:30:00
CÁ estou eu de novo, depois de um repouso que já roçava a ...
2018-02-16 00:30:00
DURANTE as escaramuças que opuseram as Forças de Defesa e ...
2018-02-16 00:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1586 visitantes em linha