O CONSELHO Municipal da Cidade de Pemba, delegado do Instituto Nacional de Normalização e Qualidade (INNOQ), não está a cumprir cabalmente o seu dever de agente fiscalizador na venda de produtos nos principais mercados da cidade.

Conforme constatou a reportagem do “Notícias” numa ronda pelos mercados das zonas suburbanas, nomeadamente de Alto Gingone, Natite, Paquitequete e Central, a maior parte dos comerciantes retalhistas usa balanças sem o selo do INNOQ, confirmando que não foram inspeccionadas.

E a viciação de balanças constitui um dos grandes problemas dos consumidores da cidade de Pemba, o que concorre para o aumento do custo de vida dos consumidores, pois as quantidades de produtos que recebem no acto da compra não correspondem ao que pagam.

Maria L. Zacarias, munícipe ouvida pelo “Notícias”, disse que a viciação de balanças é um assunto sério e que o Conselho Municipal devia intervir.

“Cada um de nós sabe que maior parte das balanças usadas nos nossos mercados está adulterada. Isso vê-se a olho nu”, considerou Maria Zacarias.

De referir que, no âmbito da celebração do Dia Mundial da Metrologia, assinalado a 20 de Maio, o INNOQ realizou em Pemba um seminário provincial sobre a importância de medições para o dia-a-dia.

Na ocasião, alguns participantes denunciaram a adulteração dos instrumentos de medição, principalmente as balanças, no circuito comercial local.

Iolanda Almeida, uma das participantes no seminário, questionou se seria ilegal um consumidor passar a levar a sua própria balança às compras, a fim conferir o peso. Sobre esta preocupação, foi explicado que, desde que a balança do consumidor tenha sido certificada, não havia nenhum constrangimento, embora a prática demonstre que é remota a possibilidade de o vendedor aceitar tal procedimento.

Presente no evento, o presidente do Conselho Municipal da Cidade de Pemba, Tagir Carimo, justificou que se tem realizado trabalho de fiscalização das balanças, mas a maior parte dos vendedores, em caso de avaria das inspeccionadas, não tem comunicado à edilidade sobre a sua troca, daí a proliferação de instrumentos de medição não certificadas nos diversos mercados da praça.

 

Versão-Impressa


Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 23 Junho 2017
DOIS momentos marcaram esta semana o contacto entre o Banco de Moçambique e a comunicação social, nomeadamente o ponto de situação da economia nacional e os esclarecimentos à volta do processo que culminou com a venda do Banco Moza à Kuhanha –... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Mandimba faz de tudo para não passar fome
Terça, 27 Junho 2017
Há cada vez menos pessoas a se envolverem no cultivo e comercialização de tabaco, no distrito de Mandimba, província de Niassa, desânimo associado à falta de chuvas que se registou na campanha agrária passada e que provocou prejuízos enormes aos produtores. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 45,25 46,43
ZAR 4,65 4,73
EUR 67,26 68,57

28.06.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

UM dos temas mais debatidos nos últimos dias, no país, tem a ver com a ...
2017-06-28 07:45:45
UM jornal da praça publicou recentemente uma entrevista concedida pelo ...
2017-06-28 07:43:52
CONTRA as minhas próprias convicções, sou impelido a concordar ...
2017-06-27 06:45:03
ESTÁ um frio do catano. Me penetra até aos ossos, que os imagino ...
2017-06-27 06:43:12
EM 1975, eu ainda era pequeno. Com a idade que tinha, naturalmente não me ...
2017-06-26 07:35:13

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1998 visitantes em linha