Os agentes económicos moçambicanos ganham, gradualmente, a consciência de observar as condições definidas pela lei no exercício de actividade comercial no país.

Esta análise foi apresentada, na manhã de hoje, pelo porta-voz de Inspecção Nacional de Actividade Económica (INAE), Ali Mussa, em conferência de imprensa convocada para o balanço do primeiro trimestre deste ano.

Mussa disse que esta conclusão baseia-se em função de redução significativa da aplicação de multas aos operadores económicos e suspensões do exercício da actividade, devido a várias infracções.

Destacou a falta de limpeza e higiene, venda de produtos fora do prazo, exercício da actividade sem licença, como factores mais observados na aplicação de multas e suspensões.

Mussa informou que, no primeiro trimestre deste ano, foram multados 132 agentes económicos em todo o país, contra 463 operadores económicos, em igual período de 2018, representando uma redução na ordem de 331 unidades.

Na mesma senda, Mussa disse que, este ano, foram suspensas de exercício de actividades, cinco unidades comerciais, nomeadamente, duas na província de Sofala e outras três em Niassa, Manica e cidade de Maputo, contra 49 do igual período de 2018.

Referiu ainda que os produtos fora de prazo registados são avaliados em 1,3 milhão de meticais, contra cerca de 5.000.855 meticais do ano passado.

Segundo a fonte, no primeiro trimestre de 2019, a INAE planificou fiscalizar 4.231 unidades económicas em todo o país, mas conseguiu inspeccionar 4.445 estabelecimentos, o que corresponde a 105 porcento do trabalho realizado.

O valor total resultante das multas aplicadas aos 132 agentes económicos é de 11 milhões e 949 mil meticais.

Explicou que a especulação de preços de produtos, sobretudo da primeira necessidade, na cidade da Beira, província de Sofala, ainda continua, apesar de INAE ter reforçado a brigada para monitorar a situação.

Comments

Três pessoas morreram e outras catorze encontram-se internadas, na sequência de um surto de diarreias agudas acompanhadas de vómitos que se regista no distrito de Changara, na província de Tete.

As mortes ocorreram ontem, segunda-feira, e no domingo, 7 de Abril, anunciou o director dos Serviços Distritais de Saúde, Mulher e Acção e Social em Changara, Guilherme Banda, que garantiu que o surto de diarreias e vómitos não está relacionado com uma provável epidemia de cólera.

“Por enquanto não temos cólera, são apenas diarreias. Os doentes chegam à unidade sanitária com diarreias e vómitos ”, sublinhou Guilherme Banda. 

Comments

A PROVÍNCIA de Maputo está a ganhar auto-suficiência na disponibilidade de frango e ovos, com o surgimento, nos últimos tempos, de grandes unidades de produção e do engajamento de produtores do sector familiar. Leia mais

Comments

A província da Zambézia deverá registar, este ano, um incremento da produção pesqueira, quando comparada com a de 2018, como resultado do reforço do número de embarcações a operar e do acesso a insumos por parte dos pescadores artesanais. Leia mais

Comments

QUATROCENTAS e oitenta e uma famílias das aldeias Mumo, Choi, Chama e 8.º Congresso refugiaram-se na aldeia 1.º de Maio, na localidade de Miangaleua, em Muidumbe,  Cabo Delgado, devido àacção dos malfeitores,que mataram alguns aldeões e incendiaram as suas residências. Leia mais

Comments

Subcategorias

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction