Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Parturientes deploram as más condições do Centro de Saúde do posto administrativo do Zóbuè, no distrito de Moatize, província de Tete, porque estão a dar partos na enfermaria comum, em pleno tratamento de doentes.

Segundo as afectadas, as mulheres estão a ter receio nos últimos dias de irem dar parto naquela unidade sanitária. Explicaram que os enfermeiros separam, na mesma enfermaria, apenas com um lençol o lugar onde uma parturiente estiver, uma vedação, que permite que os doentes vejam elas a dar parto.

Pediram ao Governo distrital para solucionar o problema o mais cedo possível, sob o risco de as mulheres abandonarem os partos institucionais, defendidos pelo Executivo moçambicano, porque evitam as mortes de bebés e das próprias mães.

As mulheres, que falaram na condição do anonimato, por recear consequências de retaliação, explicaram que já faz tempo sem que a maternidade seja reabilitada, depois de ter sido arrancado o tecto por vendaval, que se fez sentir no posto administrativo de Zóbuè.

Contactada final de semana pela AIM, a administradora do distrito de Moatize, Maria Ntefula, reconheceu a situação, explicando de seguida, que não é intenção do seu Governo deixar as mulheres naquelas condições.

“As mulheres devem dar os portos nos locais condignos. Estamos a trabalhar para a reposição da maternidade, que sofreu efeitos do vendaval. Não precisam de abandonar os partos institucionais. Encorajamos elas para continuar a apostar nas unidades sanitárias para dar à luz. São lugares seguros, que não correm o risco de vida para elas e seus bebés, porque em caso de complicação, elas são transferidas para os hospitais especializados, para essas complicações”, sublinhou a administradora de Moatize.

Comments

O Governo da província de Tete está a estudar a possibilidade de electrificar, com a energia da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), os postos fronteiriços de Zóbuè, Cuchamano e Mucumbura, nos distritos de Moatize, Changara e Mágoè, respectivamente.

Zóbuè faz fronteira com Malawi, enquanto os de Cuchamano e Mucumbura limitam-se com Zimbabwe, países que, actualmente, fornecem a corrente eléctrica, um cenário que o Executivo de Tete quer inverter, segundo disse na quinta-feira o governador Paulo Auade, em entrevista a jornalistas.
Auade afirmou que o seu Governo tem a consciência dos constrangimentos por falta da corrente eléctrica da rede nacional, razão que lhe leva a estudar as formas de no futuro não longínquo, poder-se implementar projectos de electrificação daqueles postos fronteiriços, para o benefício das comunidades locais.

“Sabemos que se precisa uma energia de qualidade naqueles pontos da nossa província. O que o Governo faz? Procura financiamentos, porque esses tipos de projectos acarretam custos elevados, por isso mesmo, que fazemos os projectos de forma gradual. Pouco a pouco vamos electrificar as regiões com necessidades, para cobrirmos na totalidade a nossa província”, explicou.

Paulo Auade apontou o projecto, que está em execução de electrificação de alguns povoados localizados ao longo da estrada, que dá acesso à vila do Songo, região onde, por sinal, encontra-se implantada a HCB, produtora da energia, que ilumina o país.

Os primeiros povoados beneficiários do projecto de electrificação são os de Marara e Doa. A linha de transporte de corrente eléctrica de média tensão começa da Subestação de Matambo, no distrito de Changara, a 18 quilómetros da cidade de Tete.

Comments

As chuvas e ventos fortes, que se registaram nesta época chuvosa na província de Gaza, já mataram pelo menos cinco pessoas vitimas de descargas atmosféricas, para além da destruição parcial de 590 casas, dez salas de aulas e quatro unidades sanitárias.

O delegado do Instituto Nacional de Gestão das Calamidades em Gaza, Manuel Maxlhaieie, é citado pelo jornal “Diário de Moçambique” a revelar que de Dezembro último a esta parte, para além dos cinco mortos, dos quais quatro por descargas atmosféricas e um por desabamento de parede, há registo de seis feridos entre graves e ligeiros, ocorridos nos distritos de Chókwè, Guijá e Mabalane.

Quanto à destruição de instituições, a fonte explicou que os distritos de Massangena e Chókwè são os que registaram maior número ao ter 274 e 147 casos, respectivamente, seguidos dos de Massingir (68), Guijá (42), Mabalane (34) e Chicualacuala (13).

“Além destes danos tivemos também a destruição de dez salas de aulas, quatro unidades sanitárias e 17 postes de transporte de energia eléctrica”, disse Maxlhaieie, adiantando que esforços estão a ser envidados, para a reposição das infraestruturas destruídas.
As famílias, por iniciativa individual, segundo Maxlhaieie, também estão a reconstruir as suas casas e alguns pais e encarregados de educação estão engajados na reconstrução das salas de aulas destruídas pelos vendavais.

A fonte apontou, sem detalhar o valor, que a falta de fundos é o principal constrangimento da instituição, que dirige, para a implementação na plenitude do plano de contingência 2018/19.
Dados do Instituto Nacional de Meteorologia indicam que até à final da época chuvosa de 2019, Gaza continuará a registar chuvas normais com tendência para abaixo do normal na zona norte, chuvas normais na zona costeira e normais com tendência a acima do normal na parte sul.

Comments

O INSTITUTO Nacional de Gestão das Calamidades (INGC) está a reconstruir salas de aula, parcialmente danificadas, na sequência das fortes chuvas, que se  registam nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula. Leia mais

Comments

A REDE rodoviária do distrito de Chifunde, em Tete, está a conhecer uma evolução positiva nos últimos dois anos, com o melhoramento de rotina dos 189 quilómetros de estrada rurais. Leia mais

Comments

Subcategorias

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction