O SISTEMA Nacional de Educação passa a contar, a partir do próximo ano, com a disciplina de Educação Ambiental, no seu ensino primário, segundo anunciou o Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, na passada ter­ça-feira, na cidade de Xai-Xai, província de Gaza. Leia mais

Comments

 

O governo desafia o Centro de Investigação em Saúde da Manhiça (CISM) a contribuir com soluções para responder à subida da prevalência do HIV/SIDA no país.

As novas estimativas da taxa de prevalência do HIV no país mostram um aumento para 13,2 por cento entre a população adulta, de 15 aos 49 anos de idade, contra a cifra anterior, que rondava 11,5 por cento, na sequência do estudo feito em 2009, segundo o Inquérito de Indicadores de Imunização, Malária e HIV/SIDA em Moçambique (IMASIDA).
O CISM é uma instituição de pesquisa criada para impulsionar e investigar, de forma biomédica, em áreas prioritárias de saúde e tem contribuído para a melhoria do conhecimento de doenças em Moçambique e outros países da África Subsahariana.
Além das actividades mais conhecidas no âmbito do desenvolvimento de ferramentas de tratamento e prevenção da malária, o centro tem vindo, nos últimos anos, a pesquisar outras doenças, como infecções respiratórias, diarreias e HIV/SIDA.
É neste contexto que o governo solicita o contributo do CISM para responder a um problema que se vê cada vez mais complicado para a saúde pública: a elevação da prevalência do HIV/SIDA.
“A subida da prevalência do HIV/SIDA para 13,2 por cento constitui enorme desafio para o governo moçambicano. Neste contexto, esperamos que os resultados das actividades de pesquisa em HIV levadas a cabo pelo Centro de Investigação em Saúde da Manhiça e outras instituições contribuam para a prevenção, diagnóstico e manejo clínico de HIV/SIDA”, referiu Zacarias Zindonga, Secretário Permanente do Ministério da Saúde (MISAU).
Zindonga falava em nome da ministra que superintende o sector, Nazira Abdula, na abertura da 10ª edição da palestra anual em saúde global da Fundação Manhiça, entidade que gere o CISM. O evento, realizado em Maputo, capital do país, foi organizado sob o lema “Pesquisa em HIV/SIDA: partilhando evidências da África Austral”.
A Fundação Manhiça é uma organização criada pelos governos de Moçambique e Espanha, sem fins lucrativos, há 11 anos, para impulsionar a pesquisa biomédica e geração de conhecimento científico em saúde.
Segundo a AIM, a Fundação e o CISM já se tornaram actores importantes no campo da pesquisa em saúde, dentro e fora do país. Ao longo dos anos, o CISM tornou-se um centro reconhecido, cientificamente, ao nível internacional e com um elevado grau de credibilidade e visibilidade, cuja estratégia de desenvolvimento na busca de soluções para as principais doenças transmissíveis que afectam o país está a trazer frutos.
Para o presidente da Fundação Manhiça, Leonardo Simão, a organização aspira ser um actor relevante na geração e divulgação de conhecimentos sobre os grandes desafios em saúde pública, tanto à escala nacional como internacional. Explicou ser, neste contexto que, anualmente, a Fundação organiza palestras, globalmente, desde 2009.
“A palestra converteu-se no evento público anual mais importante da Fundação Manhiça e num fórum no qual destacados especialistas e defensores da saúde pública apresentam temas-chave de saúde global para a sociedade moçambicana”, refere.
Há décadas, desde o surgimento do primeiro caso de HIV, que a resposta de saúde pública tem sido marcada por fortes compromissos globais, incluindo vastas campanhas educacionais e desenvolvimento de tratamento anti-retroviral.
Com estratégias de prevenção e tratamento multifacetados e baseados em evidências agora disponíveis, nações de todo o mundo uniram-se para estabelecer metas, que visam o fim da epidemia de HIV, potencialmente, até 2030.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) estimam que 70 por cento das pessoas que vivem com o HIV residem na África Subsahariana, onde os recursos para os cuidados de saúde são desproporcionalmente limitados. A África Austral, em particular, continua a apresentar taxas mais elevadas de prevalência e incidência do HIV no mundo.

Comments

NO dia mundialmente dedicado ao meio ambiente, este ano celebrado sob o lema “Poluição do Ar”, a Reportagem do “Notícias” elegeu, para esta edição, um tema sobre as tecnologias modernas, que podem ajudar a reduzir a poluição atmosférica, numa altura em que ainda se aposta em métodos insustentáveis para produção de energia.  Leia mais

Comments

A DINAMIZAÇÃO de actividades artístico-culturais é um dos objectivos do lançamento da aplicação móvel Mbenga, que tem como uma das suas funções disponibilizar informações úteis sobre eventos e as principais manifestações do ramo no país. Leia mais

Comments

No quadro da implementação do processo de Migração da Radiodifusão Analógica para Digital foram já digitalizados os estúdios da televisão pública, instalado o equipamento em 59 dos 60 sites de transmissão previstos.

O anúncio foi feito hoje em Maputo, pelo ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, durante o discurso de abertura do XXVII Fórum AICEP das Comunicações Lusófonas 2019.

Segundo o ministro, o processo de migração digital está sendo acompanhado por sistemas de recepção de sinal de televisão que possibilitam o acesso em ambiente digital a programas e serviços oferecidos pelos diversos provedores de conteúdos.

Mesquita explicou que o seu Governo está a trabalhar na criação de mecanismos que estimulem uma maior disponibilidade e acessibilidade de conversores de sinal digital, de forma a garantir a expansão e a melhoria da qualidade do sinal e dos conteúdos transmitidos.

Relativamente ao “Projecto de Praças Digitais”, financiado pelo Governo, através do Fundo do Serviço de Acesso Universal, Carlos Mesquita acrescentou que o principal enfoque é promover a inclusão digital através do acesso grátis a internet, estando já em funcionamento 18 Praças Digitais em 11 municípios, nomeadamente, Maputo, Matola, Inhambane, Beira, Quelimane, Gurué, Nampula, Ilha de Moçambique, Pemba, Lichinga e Mueda.

Para este ano estão previstas mais 21 Praças Digitais, em locais criteriosamente seleccionados que incluem os Municípios de Metangula, Tete, Montepuez, Nhamatanda e Xai-Xai, uma iniciativa que perspectiva atingir a meta fixada em “um município, uma praça digital”, frisou Mesquita.

O XXVII Fórum da Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (AICEP) acontece numa altura em que Moçambique prepara-se para encerrar mais um ciclo de governação que implementou, com sucesso, o Programa Quinquenal do Governo 2015 – 2019.

No ramo das Comunicações, prioridade foi dada à expansão da rede de telecomunicações que permitiu a cobertura de mais 276 novas localidades do país, proporcionando acesso à telefonia móvel a cerca de dois milhões de habitantes. Até final do presente ano vamos cobrir mais 30 localidades do país com os serviços de telefonia móvel, o que vai permitir acesso ao serviço de telecomunicações a mais 420 mil habitantes.

Comments
Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction