Imprimir
Categoria: Nacional
Visualizações: 688

AS aulas presenciais suspensas no contexto das acções de contenção da propagação da Covid-19 deverão ser retomadas. A medida foi anunciada ontem pelo Presidente da República, na comunicação à nação, na qual decidiu manter, praticamente, as outras normas restritivas tomadas em Fevereiro último.

A medida entra em vigor no próximo domingo, dia 7 de Março, por um período de trinta dias.

Filipe Nyusi disse que a autorização do reinício das aulas nos estabelecimentos de ensino em todo o território nacional segue-se à constatação de que entre Outubro do ano passado e Janeiro último não foram detectadas complicações graves no sistema de educação, apesar dos 1380 casos positivos registados entre alunos e professores.

Segundo o Chefe de Estado, nem houve evidências concretas de estas contaminações terem ocorrido no ambiente escolar.

Deixou claro que alguns estabelecimentos de ensino poderão levar algum tempo para reabrir, pois tudo dependerá da criação de condições básicas para a retoma segura das aulas.

A outra novidade nas medidas anunciadas ontem tem a ver com a retoma dos treinos por parte das equipas que disputam o campeonato nacional, o Moçambola, devendo os clubes continuarem a observar as medidas que incluem testagem regular aos jogadores.

Nyusi sublinhou que os jogadores e/ou pessoal técnico que testarem positivo para a Covid-19 deverão ser isolados, tal como recomenda o protocolo global, até que sejam declarados recuperados para voltarem a integrar os trabalhos.

Entre as restrições mantidas, destaca-se o recolher obrigatório no Grande Maputo entre as 21 e 4 horas, o encerramento do comércio até as 20 horas, suspensão do Moçambola e de eventos sociais públicos e privados, incluindo casamentos que só podem ser registados com o máximo de 20 participantes.  

No próximo dia 11 de Março corrente, o mundo completa um ano após a Organização Mundial da Saúde ter declarado a Covid-19 uma pandemia global.

O Presidente Nyusi lembrou que a 14 de Março de 2020 fez a primeira comunicação à nação sobre a evolução da doença no país e que, olhando para trás, são notórios os resultados da adopção antecipada de medidas preventivas contra a Covid-19. 

O mais alto magistrado da nação congratulou o esforço dos moçambicanos, com destaque para os profissionais da Saúde e convidou a todos a aplicarem-se na luta contra a pandemia, deplorando o desrespeito das medidas de prevenção que ainda se regista em muitos pontos do país.

Por isso, ele apontou para a necessidade do contínuo reforço da prevenção, através da exigência da obrigatoriedade do uso da máscara em locais públicos e de aglomeração.

Sobre a vacina, o Chefe de Estado afirmou que as doses continuarão a chegar ao país, mas serão, numa primeira fase, para os que mais precisam, tal é o caso do pessoal da Saúde, pelo que se deverá lutar para que os hospitais não voltem a ficar sob pressão.

Explicou que a vacinação ajuda no combate à doença, mas não opera milagres, sendo apenas um complemento das outras medidas preventivas.

(JOSÉ CHISSANO)