Director: Lázaro Manhiça

O PAÍS tem vindo a registar melhorias substanciais no acesso e consumo do pescado, o que contribui para o fortalecimento da dieta alimentar das famílias.

Dados do Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas (MIMAIP) indicam que, em 2019, por exemplo, o consumo per capita foi de aproximadamente 17 quilogramas, situando-se acima da média recomendada para uma dieta saudável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 12 quilogramas. 

A informação foi partilhada sexta-feira(20), em Maputo, pela ministra do pelouro, Augusta de Maíta, na abertura do seminário alusivo ao Dia Mundial da Pesca, que hoje se assinala sob o lema “Incrementar a produção, promovendo a resiliência costeira e pesqueira”.

Segundo Maíta, apesar das melhorias registadas, o Governo reconhece o desafio que persiste para assegurar a disponibilidade e acessibilidade a uma dieta balanceada à população, como prioridade no combate à desnutrição que ainda afecta milhões de pessoas no país.

Explicou que neste contexto, o país tem vindo a mobilizar parcerias, programas e investimentos para potenciar a produção pesqueira de forma sustentável, respeitando as medidas que garantam a recuperação, manutenção, preservação e conservação dos recursos pesqueiros e dos ecossistemas marinhos e costeiros.

No domínio da aquacultura, a governante referiu que a aposta reside na transição de uma actividade meramente artesanal para a comercial e sustentável. Contudo, afirmou que para o efeito, é preciso criar incentivos e ser auto-sustentáveis na produção de alevinos e ração.

“Apesar disso, estamos animados quanto ao futuro da actividade aquícola no país. A aprovação, este ano, pelo Conselho de Ministros, da Estratégia para o Desenvolvimento da Aquacultura 2020-2030 promete revolucionar esta área, tornando-a próspera e mais competitiva”, anotou.

Nesta abordagem, segundo ela, será determinante a conjugação de vários factores, tais como o investimento privado e acesso ao financiamento e ao mercado, intervenção nos pequenos produtores, promoção da aquacultura comercial, tendo como objectivo final incrementar a produção e a produtividade.

Indicou ser fundamental o aprimoramento da legislação para que o país tenha uma aquacultura exercida de forma responsável e em que no processo da produção da ração, dos alevinos, da engorda e em toda a cadeia aquícola as questões de biossegurança sejam devidamente observadas”, considerou.    

Na ocasião, Augusta Maíta felicitou o pesquisador Simão Zacarias, recentemente laureado com o Prémio Global de Inovação em Aquacultura 2020, e encorajou as academias a contribuírem com o seu conhecimento para o desenvolvimento deste subsector.

“Uma distinção desta grandiosidade deve ajudar o país a melhor explorar o seu potencial aquícola. Por isso, temos que ser expeditos e trazer ideias profícuas para que o usufruto deste prémio se faça sentir como algo concreto, grande e visível na nossa aquacultura”, disse.

Para Myrta Kaulard, representante-residente do Sistema das Nações Unidas em Moçambique, a celebração do 21 de Novembro é uma oportunidade para reflectir sobre o conhecimento cada vez maior sobre a pesca, as comunidades que a praticam, a situação dos oceanos e dos stocks de pescado.

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitoe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction