Imprimir
Categoria: Beira
Visualizações: 1314

OS 10 indivíduos que se identificaram como de nacionalidade paquistanesa que, em Maio passado foram resgatados do alto mar para o Porto da Beira, já se encontram encarcerados na Cadeia Central da Beira, indiciados de emigração ilegal.

O facto foi confirmado ontem pela Secretária do Estado na província de Sofala, Stella Zeca, que se escusou a fornecer mais detalhes sobre o assunto, alegadamente por ser da alçada das autoridades de tutela.

De recordar que a embarcação em que os visados seguiam teria permanecido cerca de dois meses à deriva, devido a problemas mecânicos associados à falta de comunicação.

Segundo os ocupantes, o barco em alusão saiu da cidade paquistanesa de Baluchistão a 21 de Fevereiro último com a missão de resgatar uma outra embarcação da mesma firma que também se encontrava à deriva havia três semanas.

A situação daquela tripulação foi assim tratada conforme mandam as normas marítimas internacionais e todos foram rastreados no âmbito de prevenção da pandemia do novo coronavírus.

O mesmo barco foi rebocado até ao cais Manarte, junto ao Portode Pescas da Beira, sendo que no seu interior havia redes de malhas grossas e finas. Os tanques de água estavam vazios e o motor encontra-se obsoleto e aberto com sinais de tentativas de reparação.

Para garantir a segurança estiveram no local membros das Forças de Defesa e Segurança de quase todas as especialidades, para ouvir a tripulação por investigadores do SERNIC, que também efectuaram buscas no interior da embarcação.