Imprimir
Categoria: Capital
Visualizações: 4248

A CONSTRUÇÃO da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Sábiè acaba de ser adjudicada ao empreiteiro, facto que marca um importante passo nas intenções do Governo de drenar água da Barragem de Corumana, na Moamba, para a região do Grande Maputo.

O empreendimento, que deverá ser entregue em Maio de 2020, foi confiado à China Henan International Corporation Group no valor de 35 milhões de dólares norte-americanos, desembolsados pelo Banco Mundial.

O ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos considerou que as obras constituem um marco nos esforços de levar água para Maputo, uma vez lançada a conduta adutora, de cerca de 95 quilómetros, de Corumana a Machava.

Segundo João Osvaldo Machatine, que falava no lançamento da primeira pedra para a colocação de comportas na Barragem de Corumana, sobre o rio Incomáti, o projecto contempla outras componentes, como é o caso das estações de bombagem e tanques de controlo.

As obras vão gerar 450 postos de trabalho, com prioridade para os locais, conforme solicitação da administradora da Moamba, Guilhermina Kumaguelo.

O projecto arrancou oficialmente em Abril de 2016 e na altura contava apenas com o financiamento do Governo e do Banco Mundial, na ordem de 178 milhões de dólares. Posteriormente, entrou o Reino da Holanda, que está a desembolsar 20 milhões de euros para a construção dos centros distribuidores de Matlhemele, Guava e Matola-Gare. O investimento vai culminar com a ligação de 650 mil novos consumidores à rede pública de água até 2025.

O funcionamento deste sistema vai contar com uma disponibilidade de água de 1.240 milhões de metros cúbicos de água, resultado da instalação de comportas no descarregador de cheias, contra os actuais 720 milhões.

A opção por Corumana segue-se ao facto de a Barragem dos Pequenos Libombos, em Boane, ter esgotado a capacidade de entrega perante o aumento da demanda suscitada pelo crescimento populacional e empresas de grandes consumos.