Imprimir
Categoria: Capital
Visualizações: 738

 

Um total de 64 apartamentos, inseridos no projecto Habita Moçambique, deverá estar pronto até Setembro próximo, no bairro de Zintava, distrito de Marracuene, província de Maputo.



O projecto Habita Moçambique, composto por edifícios de quatro andares, está a ser desenvolvido de forma faseada e os respectivos apartamentos, do tipo dois e três, brevemente estarão à venda.
O Ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, efectuou, sábado, uma visita ao local onde decorrem as obras.
No final da visita, falando à imprensa, Machatine explicou que do estudo feito no mercado notou-se que existem vários compradores de apartamentos.
“Há um segmento que tem capacidade de pagar até o equivalente a 20 mil dólares;  outro que paga 20 mil a 30 mil (dólares); outro ainda que paga 30 mil a 45 mil dólares. Portanto, nós, como Fundo de Fomento para Habitação, estamos tudo a fazer para que os preços das casas que colocamos à disposição sejam compatíveis com a nossa população. São preços justos”, disse Machatine, citado pela AIM.
Acrescentou que a concepção do projecto, cujo financiamento está avaliado em cerca de 220 milhões de meticais, provenientes do Orçamento do Estado, visa, em princípio, albergar jovens, funcionários e agentes do Estado, bem como os antigos combatentes.
Sobre a modalidade de pagamento, Machatine disse que está a instruir o Fundo de Fomento para Habitação (FFH) para ter uma postura de equidade na selecção dos beneficiários.
“Nada de envergar pelo favoritismo, nós queremos que estas casas sirvam exactamente às populações, aos jovens e funcionários públicos que ainda não têm casa própria e condigna”, afirmou.
Questionado sobre a capacidade financeira do funcionário público, maior mutuário, em adquirir o apartamento, o ministro vincou que para atenuar o esforço financeiro dilatou o período de pagamento de 10 para 15 anos.
“Nós não queremos que o pagamento do funcionário público pela casa exceda um terço daquilo que é o seu salário”, disse, sublinhando que o propósito do FFH é promover as casas a preços acessíveis aos jovens e funcionários públicos.
Revelou que há um processo que está na manga entre o ministério que tutela e o da Economia e Finanças para que o Habita Moçambique possa ter benefícios fiscais na compra dos apartamentos.
Executado pelo FFH, o projecto Zintava tem a meta de construir, nos próximos dois anos, 1840 apartamentos de tipo 2 e 3, este está orçado em 90 milhões de dólares norte-americanos.
O processo de selecção dos candidatos basear-se-á na avaliação documental a ser submetida pelos interessados através da página web da internet do FFH. A entidade constituirá, por outro lado, um seguro de vida para cada comprador.
Na sua composição, o projecto contempla, além da área habitacional (com os apartamentos), um centro comercial, uma escola, creche, infra-estruturas desportivas, espaços verdes e uma unidade policial.