Director: Júlio Manjate

Quando Nelma Mapanga, 32 anos, apercebeu-se que o filho estava com problemas de qualidade do sono, respiração bucal e apneia (bloqueio da respiração), buscou ajuda médica, tendo recebido a indicação de que a cura passava pela cirurgia para a remoção das adenóides e amígdalas.

Encontramos Nelma nas instalações do bloco operatório do Hospital Central de Maputo onde decorreu, na passada quarta-feira, uma campanha de cirurgia de otorrinolaringologia, envolvendo 80 crianças, cujo quadro era preocupante. 

Pedro Machava, médico otorrinolaringologista explica que as adenóidescrescem com o uma massa junto ao nariz. As amígdalas, por sua vez, são glândulas que nos dois lados da garganta ajudam na defesa do organismo dos agentes infecciosos, como bactérias e fungos.

Depois de um crescimento nos primeiros anos de vida, estes tecidos diminuem naturalmente a partir dos cinco anos. Todavia, em alguns petizes, as adenóides crescem de forma exagerada, bloqueando a respiração pelas narinas, tornando a boca como uma forma compensatória para o efeito. Do mesmo modo, as amígdalas podem infectar-se por bactérias ou vírus, causando mau hálito, febres altas e convulsões.

Devido a situação, os pacientes apresentam dificuldades de concentração, irritabilidade, sonolência diurna ou hiperactividade, falhas no crescimento, transtornos auditivos e alterações craniofaciais significativas.

Nelma descreve, por exemplo, que o filho, de 4 anos de idade, passou mal devido a amigdalites e adenoidites.

“Tinha muitas febres, ressonava e mal dormia. Não passava uma semana sem ir ao hospital. Da última vez, foi internado cerca de um mês”, indicou.

O médico esclarece que estas são infecções respiratórias de vias respiratórias superiores e ocorrem mais em zonas, como a cidade de Maputo, onde há muita humidade.

O especialista aponta que as estatísticas estimam que cerca de 90 por cento da população da cidade de Maputo tenha alguma infecção respiratória de via alta, sendo as crianças as mais afectadas.

Há forma de aliviar

Pais de crianças com este tipo de problemas experimentam episódios de noites mal dormidas, para dar assistência à criança, havendo casos em que faltam ao trabalho e/ou escola para levar os filhos à unidade sanitária.

Fátima António conta que o filho, de um ano e sete meses, tem problemas respiratórios desde a nascença. Depois de idas frequentes ao centro de saúde, acabou sendo transferida para o Hospital Central de Maputo (HCM).

“Há dias que ele (filho) não conseguia dormir, pior nos dias quentes e húmidos. Chorava e tinha dificuldades de respirar porque as narinas ficavam bloqueadas”, disse.

Nalgumas vezes se trata de um problema herdado. Contudo, segundo Machava, é possível adoptar comportamentos que podem minimizar situações que levem a crises.

“É fundamental agasalhar bem a criança para não apanhar resfriamentos. Evitar varrer o chão da casa, usando um pano húmido para limpar. Onde a criança dorme não deve haver poeira e recomenda-se mudar a roupa da cama duas vezes por semana”, indicou Machava, que também é director dos Serviços de Otorrinolaringologia do HCM.

Outras medidas passam por acautelar o contacto com cães e gatos ou mesmo de alcatifas e evitar o uso de ventoinhas no quarto da criança. Dispondo de ar-condicionado, os filtros devem ser limpos de dois em dois meses.

Para aliviar os sintomas destas patologias recorre-se a medicação, contudo, nem todos os pacientes respondem positivamente ao tratamento, exigindo assim a realização de cirurgia para a remoção parcial das amígdalas e adenóides, em situações específicas.

Machava esclareceu que casos comuns ocorrem na amigdalite de repetição, que afecte o dia-a-dia do paciente ou quando as amígdalas estão bastante desenvolvidas e atrapalham a passagem de ar, ocasionando problemas como ronqueira e apneia no sono, o mesmo acontecendo com as

Adenoides.

Mais de 600 tratados por ano

O Hospital Central de Maputo realiza, anualmente, acima de 600 cirurgias electivas e não oncológicas de patologias relacionadas com infecções respiratórias de vias respiratórias superiores, liderando a remoção das amígdalas e adenóides. As infecções deste tipo, segundo Machava, são as mais comuns em todo o mundo.

O chefe do Departamento de Otorrinolaringologia explicou-nos enquanto operava que se adoptou uma tecnologia de ponta que permite a cicatrização primária do local da operação, sendo que as fases subsequentes podem levar até sete dias para completar, enquanto na técnica anterior havia a obrigatoriedade de suturar e a ferida levava mais de 15 dias para curar, dependendo da alimentação do paciente após a cirurgia.

O procedimento na situação actual leva cerca de 30 minutos e o médico explicou que o futuro das crianças fica comprometido quando estas complicações não forem tratadas de forma adequada.

“As adenoidites bloqueiam as narinas e a criança passa a respirar pela boca - um órgão auxiliador. Ao dormir, ela pode esquecer e ao fechar a boca gera uma maior concentração de dióxido de carbono no cérebro, levando à morte de neurónios – células que dão a intelectualidade”, disse.

Aclarou que devido a esta situação, algumas crianças com este tipo de complicações apresentam problemas de desenvolvimento psicomotor e baixo rendimento escolar.

“Se não resolvermos o problema ainda cedo, prejudicamos o futuro da criança. Sem ar não há vida”, concluiu Machava.

À espera de dias melhores

Após a cirurgia, as mães que acompanhavam os pacientes mostraram-se optimistas em relação saúde dos filhos, embora cientes de que a cirurgia não cura a 100 por cento, considerando a permanência dos factores de risco como a humidade. 

“Espero que ele fique bem”, animou-se Nelma Mapanga, que esperou mais de seis meses para a cirurgia.

Em Moçambique, há muitos pacientes na fila de espera, daí a realização de campanhas, que permitem reduzir o tempo e, acima de tudo, melhorar a qualidade de vida das crianças.

“Depois de reduzir as adenóides e as amígdalas, a qualidade de vida deste menor melhora, pois passa a respirar da melhor maneira”, anotou Machava.

A fonte revelou que, ainda este ano, vai decorrer uma outra campanha para cobrir a demanda.

O nosso país conta com nove especialistas na área de otorrinolaringologia, estando actualmente a decorrer a formação de mais quatro, ao mesmo tempo que conta com apoio de médicos da cooperação cubana e coreana.

Otorrinolaringologia é uma especialidade que lida com problemas das vias respiratórias como o nariz, a garganta e o pescoço.(EVELINA MUCHANGA

Comments

Pouco mais de 1500 famílias, o correspondente a 7.955 pessoas foram afectadas pelas inundações na província de Maputo, em consequência das chuvas fortes, acompanhadas de ventos moderados a fortes ocorridas desde Janeiro deste ano.

Deste universo, 68 pessoas estão albergadas em dois centros de acomodação criados pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e deverão ser reassentadas no bairro Mahubo, no Município de Boane.

A Directora-geral do INGC, Luísa Meque, visitou esta quinta-feira os centros de acomodação para se inteirar das condições criadas e fazer a avaliação da implementação do plano de resposta.

Meque garantiu, na ocasião, que o esforço do sector de gestão de calamidades é garantir a retirada das famílias para locais seguros, ao mesmo tempo que elas retomam às suas actividades quotidianas.

“Fiquei com uma impressão boa. Viemos à província de Maputo e seleccionamos os distritos da Matola e Boane para a monitoria das acções de resposta para mitigar o efeito das inundações”, disse.

Meque reconheceu as dificuldades de adaptação enfrentadas pelas famílias albergadas nos centros de trânsito, realçando que o INGC privilegia a transferência das vítimas para locais seguros e prevenir danos maiores.

“As reclamações decorrem do facto de terem sido obrigados a abandonar as suas casas e os hábitos e dificilmente encontram as mesmas condições no local de acomodação”, afirmou.

Destacou ainda o facto de não terem sido inscritos casos de doenças típicas da época chuvosa, como resultado do trabalhos dos profissionais da saúde na prevenção e prontidão para atender a eventuais emergências.

“O que nós fazemos é criar condições mínimas para que estas famílias possam estar nos centros de acomodação”, vincou.

Comments

O navio multimissão francês “Champlain” efectua hoje sexta-feira e sábado (dias 21 e 22) uma escala de rotina ao Porto de Maputo, como parte da sua missão de patrulha na zona do Canal de Moçambique.
A luta contra a pirataria, vigilância do tráfego comercial, controlo do tráfico ilícito e salvamento no mar são as missões tradicionais do navio, baseado na Ilha Reunião.
Um comunicado de imprensa da Embaixada da França enviado à imprensa refere que a permanência do navio no Porto de Maputo “é uma ocasião para fortalecer de novo a cooperação já antiga entre as Forças Armadas Francesas, baseadas na zona sul do Oceano Índico (FAZOI), e as Forças Armadas de Defesa de Moçambique”.
“Esta curta visita terá provavelmente a oportunidade de ser renovada no futuro”, acrescenta.

MINISTRO FRANCÊS DOS NEGÓCIOS

ESTRANGEIROS VISITA MAPUTO HOJE E SÁBADO

Entretanto, o ministro francês para a Europa e Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, realiza hoje e sábado uma visita oficial a Moçambique, depois de a petrolífera francesa Total ter passado a liderar um dos mega-projectos de gás natural no país.

“Numa altura em que grandes grupos franceses confirmaram recentemente grandes investimentos em Moçambique, esta visita permitir-nos-á reforçar os laços que nos unem”, anuncia a embaixada francesa em comunicado, citado pela Lusa.

Na agenda, entre outros assuntos, está a luta contra o tráfico e grupos armados que atacam zonas rurais na província de Cabo Delgado, onde a Total constrói um dos maiores investimentos em curso em África para extrair gás natural a partir de 2024.

Por outro lado, parte das águas do Canal de Moçambique pertencem a ilhas habitadas e ilhéus desertos que fazem parte dos territórios ultramarinos franceses, tornando frequente a presença da Marinha de França.

A visita de Jean-Yves Le Drian acontece quatro meses antes da cimeira França-África, em Bordéus, sobre o tema das cidades sustentáveis.

Durante a visita a Maputo, o governante francês vai avistar-se com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e com a sua homóloga moçambicana, Verónica Macamo.

Está ainda prevista uma visita ao navio militar francês “Champlain”, que fará uma escala no Porto de Maputo e onde Le Drian vai manter conversações com o ministro da Defesa, Jaime Bessa Neto.

A última visita bilateral a Moçambique de um ministro dos Negócios Estrangeiros francês aconteceu em 2002.

Comments

ALUNOS da Escola Secundária da Matola, província de Maputo, foram sensibilizados em segurança rodoviária pela Polícia de Trânsito, visando prevenir a ocorrência de acidentes de viação envolvendo alunos no presente ano lectivo e não só. Leia mais

Comments

As dívidas dos automobilistas resultantes da falta de pagamento do estacionamento rotativo remunerado na cidade de Maputo passarão a ser cobradas de forma coerciva no acto de pagamento do Imposto Autárquico de Veículos, mais conhecido por manifesto.

Actualmente, é comum um condutor estacionar num dado ponto da urbe e sair sem pagar a respectiva tarifa, ficando os cobradores sem mecanismos de evitar que tal ocorra.

Entretanto, o projecto de adopção de novos métodos de pagamento pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento (EMME), que incluem o uso de meios electrónicos, vai contemplar um sistema de verificação de matrículas de viaturas devedoras e indexar na base de dados para efeitos de cobrança no acto de pagamento do manifesto.

João Ruas, presidente do Conselho de Administração da EMME, disse que a verificação das viaturas(matrículas) que devem taxas de estacionamento será feita por uma brigada móvel, sem interpelar os automobilistas, que só serão cobrados na altura da cobrança do Imposto Autárquico de Veículos.

A cobrança coerciva das dívidas e o sistema electrónico no seu todo vão, segundo a fonte, melhorar a colecta de fundos pelo município e resultam de uma parceria público-privada entre a EMME e a Revtec, uma firma do ramo de novas tecnologias de informação e comunicação.

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction