Imprimir
Categoria: Nampula
Visualizações: 1833

As autoridades pesqueiras a nível da província de Nampula apreenderam, entre 1 de Dezembro passado e 12 de Fevereiro corrente, 17 toneladas de pescado, cuja captura está interdita desde Janeiro, até 31 de Março próximo.

A actividade ilegal acontece com maior predominância nos distritos de Liúpo, Angoche e Moma, todos integrantes do banco de Sofala, onde, segundo a Direcção Provincial do Mar, Águas Interiores e Pescas, alguns pescadores artesanais, comerciantes e transportadores têm estado a desobedecer a proibição.

Por causa disso, as autoridades multaram os prevaricadores no valor total de 975 mil meticais.

Zacarias Tahar, da Direcção Provincial das Pescas, disse à AIM que a desobediência ao período de veda está a preocupar as autoridades, pois muitos dos autuados são reincidentes.

“Muitos são reincidentes nestes actos, mas o que sucede é que lhes são retirados os produtos, as artes nocivas confiscadas e destruídas e impostas multas. Organizamos também sessões de esclarecimento e divulgação de mensagens nas comunidades para que abandonem as práticas nocivas”, explicou.

A fonte adiantou ainda que a fiscalização em curso já aconteceu em cinco dos dez distritos costeiros da província de Nampula, nomeadamente, Moma, tido como sendo o maior centro pesqueiro, Angoche, Mogincual, Larde e Liúpo.

Segundo Tahar, a acção fiscalizadora incide também na verificação das artes utilizadas pelos pescadores, pois algumas são nocivas ao camarão de superfície, caranguejo e outras espécies menores.

“Quando nos deparamos com pescadores, quer no mar, quer em terra, com essas artes, particularmente a rede mosquiteira, apreendemos e destruímos, para além de que multamos os infractores, pois estão informados de que devem obedecer ao período de veda e/ou usarem instrumentos adequados em defesa do ecossistema”, apontou.

Esta quarta-feira, a Polícia, em Nampula, chamou a imprensa para exibir perto de seis toneladas de pescado apreendido e que posteriormente oferecido a instituições de caridade, hospitais e cadeias.