Imprimir
Categoria: Desporto Nacional
Visualizações: 1275

AS seleções nacionais das diversas modalidades e escalões, bem como atletas olímpicos de modalidades colectivas e individuais, vão receber, dentro em breve, doses da vacina russa anti-Covid-19, conhecida por “Sputnik-V”, anunciou, ontem, em Maputo, o ministro-conselheiro da Embaixada da Federação Russa em Moçambique, Alexander Nuralov.

Nuralov anunciou esta boa nova após o encontro com o secretário de Estado do Desporto (SED), Carlos Gilberto Mendes, e com o presidente do Comité Olímpico de Moçambique (COM), Aníbal Manave. Segundo Alexander Nuralov, a doação deimunizantes foi recentemente decidida pelo Ministério dos Desportos da Rússia que prevê fornecer as doses a atletas de todos os países africanos, incluindo Moçambique.

Neste momento, ainda não estão definidas as quantidades a serem fornecidas a Moçambique e nem se sabe quando é que as doses irão chegar ao nosso país. Segundo o responsável russo, a Secretaria do Estado do Desporto deverá, nos próximos dias, formalizar o interesse do país na obtenção da vacina e  indicar as quantidades que os desportistas moçambicanos necessitam.

“Este é um plano do nosso Ministério dos Desportos para ajudar os desportistas do continente africano. Temos, por outro lado, como objectivo a internacionalização da vacina Sputnik-V”, disse o ministro-conselheiro.

O secretário de Estado disse, por sua vez, que o gesto russo é mais uma prova da irmandade entre os povos da Rússia e de Moçambique, que é de longa data. Vincou, por outro lado, que a SED vai contactar as federações para fornecerem os números precisos dos atletas que têm competições, proximamente, para que o processo de vacinação seja o mais abrangente possível.

“Conhecemos mais ou menos o número de atletas que vão, por exemplo, aos Jogos Olímpicos, mas temos muitas outras frentes em diversas modalidades este ano, tais comocampeonatos africanos e regionais. Esta vacina não só vai ser administrada aos atletas, mas também ao pessoal de apoio e todos aqueles que estiverem nas delegações”, esclareceu Gilberto Mendes.

Refira-se que a vacina russa, segundo Alexander Nuralov, tem uma eficácia de 91.6% e é das menos exigentes em termos de condições de conservação, exigindo temperaturas até um grau negativo.