Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 737

A LINHA de transporte de corrente eléctrica que ligará Chimuara/Nacala, nas províncias da Zambézia e Nampula, respectivamente, é vital para a economia nacional e regional, pelo facto de poder vir a alimentar importantes zonas económicas especiais e projectos de grande dimensão no norte do país.

O presidente da República, Filipe Nyusi, afirmou hoje (18) que se trata do primeiro projecto estruturante da economia que vai transportar 400 quiloVolts (KW) de energia para as regiões centro e norte, podendo estimular o nascimento de outros projectos de grande dimensão.

Falando após o lançamento da primeira pedra para a construção da linha,  na localidade de Chimuara, distrito de Mopeia, na Zambézia, Filipe Nyusi disse que ao longo do trajecto, nas províncias da Zambézia e Nampula, vão ocorrer importantes melhorias na qualidade e fiabilidade de energia.

O projecto de transporte de energia eléctrica vai ser executado em três fases, nomeadamente, Chimuara-Alto-Molocué (numa extensão de 367 quilómetros), ontem lançado, seguindo-se Alto Molócuè-Namialo e finalmente Namialo-Nacala.

Na primeira fase, serão construídas duas subestações, em Chimuara e em Alto Molocué e respectivas linhas de transporte, cujos trabalhos já estão em curso, devendo terminar no próximo ano, num investimento de 139 milhões de dólares ( 10,4 mil milhões de meticais).

No trajecto Chimuara-Alto Molocué existe uma linha de 200 KW que abastece a região norte do país. A nova linha será uma redundância da actual e terá duas vezes a capacidade desta, isto é 400 KW.

O objectivo do investimento é o reforço da capacidade de transporte de energia nas regiões Centro e Norte, responder a demanda de consumo de energia eléctrica nas zonas económicas especiais de Mocuba, Nacala e dos megaprojetos dos hidrocarbonetos, na província de Cabo Delgado.

Pretende-se, igualmente, assegurar a fiabilidade do sistema, uma vez que, quando as duas linhas estiverem operacionais, não haverá um “apagão” como o que aconteceu nas cheias do Licungo, em Janeiro de 2015, altura em que o Norte do país ficou privado de energia quando dez postes de alta tensão, junto às margens tombaram.

Os trabalhos em curso consistem na instalação de transformadores, barramentos, painéis, o que no futuro permitira escoar 600 KW, criando condições para a industrialização do país e, a médio prazo, ligar a rede nacional a da vizinha República da Tanzânia.

Aliás, o Presidente da República, anunciou um conjunto de projectos de eletrificação não só na região norte como também em Inhambane, principalmente, em Temane que poderão consolidar a posição de Moçambique como o polo de energia a nível da região da SADC.

Filipe Nyusi considera ser imperioso apostar em energias renováveis e diversificadas, com vista a melhorar a qualidade de vida da população.

Acrescentou que o país inaugurou uma nova fase da história de electricificação, porque já não vai produzir apenas para o pequeno e médio consumo, mas também para grandes projectos industriais estruturantes nos sectores da agricultura, pesca e turismo, o que vai estimular a criação de emprego.

O projecto Chimuara-Alto Molócue vai empregar 1270 pessoas, das quais, mil locais.