Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 861

O GOVERNO está a avaliar propostas técnicas e financeiras para a concessão de quatro estradas nacionais no sul e norte do país.

Falando ao “Notícias”, o presidente  do Conselho de Administração do Fundo de Estradas, Ângelo Macuácua, fez saber que as propostas agora em avaliação foram submetidas em 2019, no quadro do programa de concessão das estradas nacionais.

Macuácua não deu detalhes sobre o processo, no qual o Governo se faz representar pela Administração Nacional de Estradas (ANE).

Entretanto, mostrou-se confiante que o país possa, dentro em breve, ter mais estradas concessionadas e com portagens, no contexto da política nacional de utilizador-pagador, em curso há alguns anos.

A intenção éconcessionar troços da Estrada Nacional Número Um (EN1), nomeadamente Marracuene/Xai-Xai, Nampula/Metoro; da EN2, concretamente Matola/Namaacha; da EN3, Impaputo/Goba;e da EN12, entre Nacala e Namialo.

As rodovias foram agrupadas em três lotes, sendo que a EN2 e a EN3 constituem um único.

Nas cinco secções de estradas seleccionadas, a mais curta é Impaputo/Goba, com 31 quilómetros, e a mais extensa é Nampula/Namialo/Lúrio/Metoro, com cerca de 415 quilómetros.

Neste momento, o país tem três concessionários a operar, nomeadamente a Trans African Concessions, que gere a EN4; as Estradas do Zambeze, gerindo algumas vias no centro do país;e a Rede Viária de Moçambique (REVIMO), que responde pela Circular de Maputo, ponte para KaTembe e respectivas vias de ligação, bem como a EN6.