Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 837

O CONSELHO de Administração do Banco Africano de Desenvolvimento(BAD)aprovou o desembolso de 44 milhões de dólares norte-americanos para reforçariniciativas de resiliência climática e agricultura nas províncias de Gaza e Inhambane.

De acordo com o representante-residenteno paísdesta instituição financeira continental, Pietro Tolgo, o montante será utilizado na capacitação de pequenos produtores em tecnologias para evitar perdas pós-colheita nas duas províncias,já que pela sua localização geográfica (zona semi-árida)estão sujeitas àestiagem,com impacto negativo na segurança alimentar.

Pietro Tolgo,que foi recebido ontem em audiência conjunta pelasecretária de Estadoe governadorda província de Inhambane, respectivamente Ludmila Magunie Daniel Chapo,explicou que Inhambane poderá adoptar algumas tecnologias que foram identificadas na província de Gaza, como construção de represas, furos multifuncionais movidas a painéis solares, pequenos kits de irrigação, silos/bolsas,entre outras infra-estruturas que serão adoptadas no âmbito da gestão de recursos hídricos.

Disse ainda que os projectos serão geridospelo Instituto Nacional de Gestão do Risco deDesastres (INGD),pelo facto deser uma instituição com “experiência sólida” emintervenções dogénero.

Na província de Inhambane, a intervenção será nos distritos de Panda, Funhalouro e Mabote, zonas de constante insegurança alimentar devido asecas prolongadas.

O representante-residentedo BAD em Moçambique disse que a construção de silos/bolsas “será um nova tecnologia a introduzir no país no âmbito da conservação de excedentes agrícolas,para ajudara reduzirperdas pós-colheitas nas duas províncias”, realçando que a mesma tecnologia “éagora sucesso na Argentina, país com condições agro-ecológicassimilares àsde Moçambique”.

Garantiu que o pacote financeiro aprovado,com duração de cinco anos, constitui o primeiro passo da intervenção do BAD nesta área,num conjunto de estratégias que serão adoptadas nos próximos tempos. Admitiutambém a possibilidade de injecção financeira, entre 2023 e2028,em outras iniciativas de resiliência climática para todo o país.

Recordou que o BAD éum dos financiadores dos projectos da electrificação rural,com destaque para sua intervenção na construção da linha de transmissãoTemane/Maputo,no quadro da viabilização da Central Térmica de Temane,na província de Inhambane.

Explicou que a carteira de financiamento do BAD em Moçambique é de cerca de 1.2 mil de milhões de dólares, dos quais 600 milhões foram desembolsados nos últimos quatro anos no sector da agricultura, tidocomo fundamentalna diversificação da economia,assim como na área dostransportes, entre outras.