Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 454

O Presidente da República, Filipe Nyusi, está satisfeito com os níveis de crescimento alcançados pela província de Gaza de 2015 a esta parte, não obstante eventos naturais negativos que marcaram a trajectória, sobretudo na sua zona Norte.

“Notámos com satisfação que os indicadores estão bem e a subir, não obstante as adversidades que esta província enfrenta, sobretudo nos distritos do norte, que têm sido assolados por eventos naturais como a seca e falta de água para o consumo humano. A produção global subiu, embora tenha sido de forma tímida, porque as condições não permitiram que se fizesse mais”, disse Filipe Nyusi, falando ontem a jornalistas no balanço dos dois dias da visita que vinha efectuando àquela província.

“A província continua sendo forte na agricultura, que contribui com 57 por cento da sua produção global, seguindo-se o sector de transportes com 21 por cento, ficando a restante parte percentagem para outras, com destaque para o comércio, o que nos encoraja bastante”, destacou o Chefe do Estado.

Ainda ontem, o Presidente da República procedeu ao lançamento de um manual de educação ambiental para o Ensino Primário, uma disciplina que deverá ser parte de currículo a partir do ano lectivo de 2020.

O acto, que teve lugar na Escola Secundária Joaquim Chissano, na cidade de Xai-Xai, foi testemunhado por membros do Governo e pela comunidade escolar local.

Nyusi escalou também vários sectores produtivos e económicos, e teve encontros com a população para a auscultação e actualização da mensagem sobre a necessidade do aumento da produção e da produtividade, e o aprimoramento da paz como fator determinante para o desenvolvimento do país.

“Também deixamos claro que o combate à corrupção deve ser desenvolvido continuamente e deve fazer parte da nossa cultura. A corrupção existe entre os pequenos e os grandes e o prejuízo também é a todos os níveis”, disse o Chefe do Estado, recomendando também uma luta tenaz pela redução dos acidentes de viação na província de Gaza, corredor principal para quem sai de Sul para o Norte e vice-versa.

Filipe Nyusi disse ter constatado, igualmente, a prevalência de desafios pela frente, nomeadamente a falta de água, sobretudo na zona norte da província, ainda que a sua escassez já comece a reduzir, com a construção de represas e abertura de sistemas multifuncionais, para a irrigação e consumo.

“No norte da província ainda temos problemas de conflitos homem-animal e estradas por serem melhoradas, a exemplo do troço Caniçado-Chicualacuala, que se tornou num grande problema. Deixámos a mensagem de que todas as infra-estruturas que estamos a erguer nesta província devem produzir e não devem ficar apenas como montra e figurarem apenas no mapa. As estradas devem produzir, a energia deve produzir e a indústria também. A energia que trazemos para a província não deve ser, simplesmente, para a iluminação, mas para produzir, na agricultura e na indústria”, disse Nyusi, fazendo menção a empresas que estão a surgir, como a fábrica de descasque da castanha de caju, a empresa de areias pesadas e o aeroporto de Chongoene.