Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 465

Moçambique registou no mês de Junho do ano em curso uma deflação mensal de 0,23 por cento, segundo uma nota de imprensa do Instituto Nacional de Estatística (INE), que justifica o facto pela diminuição do Índice de Preços no Consumidor (IPC) com a sazonalidade da oferta de hortícolas, incluindo batata e outros tubérculos.

Os dados são recolhidos nas principais cidades, nomeadamente, a capital do país, Maputo e as cidades da Beira e Nampula, respectivamente.

Da análise da variação mensal por produto destaque vai para a queda de preços do tomate (4,9%), couve (10,8%), alface (10,9%), coco (7,7%), feijão manteiga (2,8%), carvão vegetal (0,9%) e da farinha de milho (2,3%), que contribuíram no total da deflação mensal com cerca de 0,27pp negativos.

Entretanto, alguns produtos, com destaque para o peixe fresco (2,8%), pão de trigo (0,5%), cigarros (2,6%), camisas para crianças (5,6%), camarão fresco (3,6%), os sabonetes (2,0%) e da carne de cabrito fresca (1,1%) contrariaram a tendência de queda de preços, ao contribuírem com cerca de 0,14pp positivos.

Segundo a mesma nota, de Janeiro a Junho de 2019 o país registou uma subida de preços na ordem de 1,38%. As divisões de alimentação e bebidas não alcoólicas, habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis, restaurantes, hotéis, cafés e similares foram as responsáveis pela tendência geral de subida de preços, ao contribuirem, respectivamente, com aproximadamente 0,80pp; 0,17pp e 0,15pp positivos.

Desagregando a inflação acumulada por produto, merece destaque a subida dos preços do tomate, do pão de trigo, cebola, electricidade, veículos automóveis ligeiros novos, feijão manteiga, hamburgueres, pregos, bifanas, cachorros e similares, que comparticiparam com 1,11pp positivos no total da inflação acumulada.

Relativamente a igual período de 2018, o país registou uma subida de preços na ordem de 2,30%. As divisões de saúde e educação foram, em termos homólogos, as que tiveram maior variação de preços, com 6,56% e 4,39%, respectivamente.

Em relação à variação acumulada, a cidade da Beira foi a que teve o maior aumento do respectivo nível geral de preços, com 2,70%, seguida das cidades de Nampula, com 1,58%, e de Maputo com 0,83%.

Em termos homólogos, a cidade da Beira liderou a tendência de aumento do nível geral de preços, com 3,61%, seguida da cidade de Nampula, com 3,27%, e por último a cidade de Maputo, com 1,39%.