Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 2527

O Governo contratou recentemente uma consultoria para fazer a reestruturação financeira da aerotransportadora pública nacional, Linhas Aéreas de Moçambique (LAM).

Enquanto isso, os gestores da empresa concentram agora os esforços para estabilizar as operações da companhia. Falando há dias ao “Notícias”, a Presidente do Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE), Ana Coanai, apontou que, actualmente, o grande problema da LAM é financeiro.

“Por essa razão, estamos à espera que a consultoria nos traga algumas ideias sobre como é que se deve fazer a reestruturação financeira”, sustentou.

A presidente do IGEPE assegurou que sem a reestruturação financeira será difícil a empresa garantir boas operações.

Sem dar detalhes sobre o trabalho em curso, Ana Coanai reconheceu que a companhia de bandeira ainda não está completamente estabilizada, contudo acredita que houve melhorias nas operações.

Criada em 1975, após a extinção da DETA, a LAM assumiu-se durante muitos anos como uma empresa estatal, sob tutela do Ministério dos Transportes e Comunicações.

Em Dezembro de 1998, a empresa foi transformada em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada, adoptando a denominação de LAM, S.A.R.L.

Desde então, o Estado moçambicano passou a deter 80 por cento das acções da nova sociedade formada e os gestores, técnicos e trabalhadores da LAM, os restantes 20 por cento das acções.

Após sucessivas nomeações de directores e presidentes, em Julho de 2018, os accionistas da companhia demitiram o Conselho de Administração e nomearam João Carlos Pó Jorge como director-geral, uma nova posição com poderes acrescidos para lidar com a crise da empresa.

Do trabalho realizado, a companhia anunciou em finais do ano passado que pretende retomar, em Março próximo, a ligação aérea entre Maputo e Lisboa, com três voos semanais.

A companhia fez saber que a retoma desta rota surge em resposta à necessidade de satisfazer o desejo dos seus clientes.

Os voos para Lisboa serão realizados com recurso a uma aeronave airbus, A340-300, com capacidade para 267 passageiros.