Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 996

O SECTOR privado e público devem trabalhar em conjunto para praticar tarifas promocionais nas passagens aéreas a nível doméstico, defende Jeremias Manussa, director do Instituto Nacional do Turismo (INATUR).

As promoções devem incluir a hospedagem e restauração,com vista a reanimar a actividade no país durante e depois da pandemia da covid-19, disse.

Manussa defendeu esta asserção ontem (22), em Maputo, durante o debate subordinado ao  tema “Sector de Turismo no Novo Normal: Desafios e Perspectivas Impostas ao Sector Público em Moçambique”, parte integrante das celebrações do Dia Mundial do Turismo que se assinala a 27 de Setembro.

A pandemia da covid-19, que levou ao fechode fronteiras e cancelamento da maioria dos voos internacionais, forçou o encerramento temporário de mais de 80%dos estabelecimentos turísticos e deixou no desemprego cerca de 11 mil trabalhadores.

“Acreditamos que o turismo internacional foi o alicerce ao longo destes anos. Neste momento temos estado a trabalhar seriamente com o sector privado e com as outras instituições do Estado no sentido de podermos reduzir ou colocar preços mais competitivos tanto na componente de hotelaria e restauração assim como na de viagens”, afirmou.

Reconheceu que é um processo longo e penoso, pois tudo indica que ainda vai levar algum tempo para que tudo volte a normalidade.

Por isso, a decisão mais correcta, disse Manussa, seria apostar no turismo doméstico para que os cidadãos nacionais façam mais viagens dentro do país, algo que também poderá ajudar a aumentar os níveis de arrecadação de receitas para o Estado.

O director também apontou como desafios a fraca capacidade dos profissionais nacionais ligados a área do turismo comparativamente aos outros de países da região, bem como a qualidade dos serviços prestados.- (AIM)